Quase como se a banda como um todo tivesse sofrido algum tipo de dano cerebral devido a algum acidente trágico e imprevisível naquela época, o Gamma Ray não eram eles próprios desde o grande No World Order de 2001. Os dois álbuns anteriores chegaram a banda como meras sombras de si mesmos descaradamente e obviamente inspirados em outras bandas, nada mais do que o Judas Priest. Era um novo ano, uma nova década, um novo raio gama. To The Metal é um grande passo para a recuperação deste acidente hipotético. Ainda assim, a banda não quebrou nenhuma barreira, mas a qualidade geral das músicas é muito maior do que os dois trabalhos anteriores. As músicas fluem melhor, há ideias mais originais, o álbum inteiro parece menos forçado e mais relaxado, quase um recuo para os tempos de glória da banda no final dos anos noventa. Em geral, a primeira metade do álbum é a pior, terminando com o crime feito a “Metal Gods” do Judas Priest com a faixa-título. A boa notícia é que depois da faixa-título, o resto do álbum é fantástico.

All You Need To Know” é como voltar no tempo com o seu refrão, com ninguém menos que Michael Kiske, e o último par de “Shine Forever” e “Chasing Shadows” são Gamma Ray no melhor de uma década. A banda soa como se eles estivessem novamente se divertindo com essa metade do álbum, e é um prazer ouvir vindo de uma banda tão respeitada e influente que pareceu perder-se com seus álbuns  anteriores. To The Metal ainda está longe do Gamma Ray, e suspeitamente vem de trás de uma produção um pouco abafada. Este é, sem dúvida, um salto na direção certa, e motivo para alegria naquele momento. De longe, o melhor trabalho da banda desde 2001, e um sinal de que a banda ainda tinha alguns efeitos criativos escondidos. A primeira metade do álbum até a abominação de uma faixa-título pode ser fácil e sem culpa colocada de lado. O Gamma Ray ainda podia oferecer a magia nos dias de hoje, e pode ser encontrado aqui na segunda metade desse álbum, que é variável mas bom.

No Need to Cry” ganha um trunfo a mais por se tratar de uma homenagem ao pai do baixista Dirk Schlächter. Evidentemente uma grande carga de emoção faz parte desta canção.

O resto do álbum – “Time to Live”, “Rise”,Deadlands” e “Chasing Shadows” – destacam o tipo de elementos do Power Metal europeu mais antigos que o Sr. Hansen  e é extremamente importante citar que ele é um dos responsáveis por ajudar o crescimento disso muitos anos atrás ao lado de seus irmãos do Helloween. E não se enganem, esses caras ainda faziam o Gamma Ray clássico soar muito bem. A voz de Kai se aguentou notavelmente bem, considerando seu tom e todos os anos de lamentos extensos, e o homem ainda colocava muitos nomes do estilo no bolso, empacotando To the Metal nas vigas com um trabalho luminoso e ágil de guitarra. Mas se o protótipo de Gamma Ray, que dura cerca de 20 minutos do álbum, faz todo o álbum valer a pena, obviamente depende de como os fãs estão dispostos a dar espaço de manobra criativo à banda. Eu vou dizer que, apesar de sua inclinação para misturar as coisas com um toque mais clássico, ainda é filtrado através de um som que invoca imediatamente o Gamma Ray, então o álbum ainda merece atenção.

Formação:
Kai Hansen (guitarra, vocal);
Henjo Richter (guitarra, teclados);
Dirk Schlächter (baixo, vocal adicional na faixa 10);
Dan Zimmermann (bateria)

Tracklist:
01. Empathy
02. All You Need to Know
03. Time to Live
04. To the Metal
05. Rise
06. Mother Angel
07. Shine Forever
08 Deadlands
09. Chasing Shadows
10. No Need to Cry

Facebook Oficial