A música vem na sequencia de Governo Genocida e continua mostrando a veia contestadora da banda com uma letra de protesto social.

A letra aborda o dia a dia do pobre que vive na favela, esquecido pelo poder público. Das pessoas que vivem a margem da sociedade, sem os mesmos direitos das classes dominantes.

Ela retrata em um ponto específico, que é quando chega a época de eleição que todo político aparece na comunidade para pedir voto. Mas, se esquece que durante três anos as pessoas perderam tudo em incêndios enchentes e tragédias.

Como já é tradição, a gravação, mixagem e produção ficou na mão do Lau Andrade – Conspiração Records

“Essa nota é originada de colaboração externa à Roadie Metal, sem vínculo com a linha editorial do site”