Roadie Metal Entrevista: Feios Sujos e Malvados, um dos grandes expoentes do Crossover do estado do Pará

by Gleison Junior

Fortes e agressivos, os músicos do Feios Sujos e Malvados, estão muito próximos de apresentar ao mundo seu segundo trabalho de estúdio, Crime e Castigo. Algumas músicas já foram oficialmente lançadas, sendo que a primeira delas, Abissal, foi lançada na coletânea Roadie Metal, Vol.14, no março de 2020.

Para falar mais sobre o processo de criação e a quanto anda o novo material, o guitarrista e fundador da banda, Geraldo Capilé, falou exclusivamente ao site da Roadie Metal. Confira como foi nosso bate papo:

Como surgiu sua banda, conte-nos como foi que tudo começou?

A banda surgiu de outras duas bandas da cena rock independente de Marabá no início de 2013, a Teatro de Kimera uma banda de rock alternativo (onde eu tocava baixo), porem sentíamos necessidade de fazer um som mais pesado e agressivo que não servia aos propósitos da Teatro de Kimera. A outra banda era a 70/80 banda que tocava os clássicos de heavy metal dessas duas décadas (onde eu tocava guitarra), então até a gravação do primeiro álbum Tortura, sempre passaram pela banda membros dessas duas bandas, e de outras bandas de parceiros da cena independente de Marabá como a 80/90, Broken & Boned, Kranion

Então a banda concentrou-se em compor músicas autorais ácidas, críticas, sinistras e de perversão humana, em uma música com uma estrutura rápida, direta e crua com fortes influencias de Hard Core, Crossover e Thash Metal. Desta forma a banda sempre soube que não teria espaço para tocar nos já manjados bares da cidade, restando assim apenas o espaço do verdadeiro rock undergroud, para mostrar o trabalho da banda.

É importante vincularmos o surgimento da FSM a criação da A Caixa Produtora, junto com a colaboração de vários amigos e parcerias diversas, que ajudou a fomentar a cena independente de rock/metal no sul e sudeste do estado do Pará, quando fechamos parcerias com produtores da capital do estado e de estados vizinhos como Maranhão e Tocantins, fazendo intercambio entres as bandas e aproveitando a passagem de bandas nacionais renomadas e internacionais para a realização vários eventos. Então onde não existia uma cena, passou a existir e desta forma a FSM sempre esteve presente nestes eventos e nos dos outros estados e nos da capital.

Quais materiais vocês já possuem lançados e como as pessoas podem encontra-los?

No momento só temos o primeiro álbum Tortura, que está disponível em todas as plataformas digitais para quem quiser baixar. Acredito que ainda mês de maio, o segundo álbum Crime e Castigo também já estará disponível nas mesmas plataformas digitais, assim como o vídeo animação da música Exorcismo , já estará disposta no youtube.

O que você espera levar ao público com suas letras, conte um pouco sobre seu processo criativo, como vocês escrevem as letras e qual a mensagem que está por traz?

Do primeiro ao segundo álbum 90 % das letras da banda são de minha autoria (Capilé), e por ser militante na luta anti-manicomial, trabalhando com saúde mental há duas décadas, fica muito fácil escrever letras que abordem o que há de mais perverso e patológico na mente humana (Retrato de um Psicopata, Justiceiro Ceifador, Ataque Perverso, Predador Sexual, Psicopata no Espelho, Açougueiro da Quebrada) já deu pra perceber que serial killer é um tema recorrente para a banda é daí que vem o Horror Thrash Crossover na logo da banda, continuando sobre a criação das letras surge temas como internação psiquiátrica (Holocausto Brasileiro, Ditadura Esquizoide), assim como o gosto por seriados inspiraram músicas como Predador Sexual (Hanibal), O Contrato (Sr. Avila), Olhos que Tudo Veem (The Walking Dead – em quadrinhos), temas filosóficos que discute a luta interna entre o bem e o mal travada pelo homem (O Mal, Abissal), temas atuais envolvendo a banalização da violência (Crime e Castigo, Doutrina do Ódio), claro não poderia faltar o humor ácido (O Feio, Exorcismo e Áudio de Caixa Preta). Acrescente diversos riffs rápidos e pesados, e teremos o som da FSM.

Agora para o terceiro álbum que já está em construção, o processo de criação das letras está sendo bem mais fácil, pois estou dividindo esta responsabilidade com o vocalista Rugal que está contribuindo neste processo, com um conteúdo voltado para o nosso tema recorrente, serial killer voltado para o horror gore.

O que te fez querer participar da atual edição da coletânea Roadie Metal?

Acredito que participar da coletânea é uma excelente oportunidade de fazer a nossa música chegar a um público mais amplo. Muitas bandas passam a ser conhecidas através de coletâneas, é a partir de uma audição da coletânea que pode-se despertar um interesse na busca de mais material da banda que está na coletânea. Acrescente-se o fato que estar fazendo parte da coletânea da Roadie Metal que assessora o maior e melhor cast de bandas de rock/metal e afins é muito gratificante fazer parte deste time.

Como você enxerga o atual momento do cenário do Metal Nacional?

Vejo com bons olhos o surgimento de mais web rádios voltadas para o Metal e de bandas novas nos seguimentos mais diversos e de excelente qualidade nas diversas regiões do país, e que não devem em nada as bandas gringas. Fico feliz em ver as bandas mais antigas mantendo-se firmes na cena e esse não é um processo fácil de se fazer em terras tupiniquins. Vejo produtores de eventos tentando criar novos e dar continuidade aos seus festivais que é de extrema importância para as bandas, muito bom quando produtores e bandas conseguem se afinar e um ajudar o outro nesse processo. Porém já vejo com maus olhos o que vem ocorrendo nos últimos anos com a militância política extrema que deixou de ser velada entre bandas e também produtores de evento, onde o indivíduo tem de escolher um lado e defende-lo sem respeito as diferenças. Militância política sempre houve, porém no momento atual o extremismo ficou latente, e acredito que o cenário do Metal Nacional perde com esse extremismo.

Lógico que esse período de pandemia não está sendo bom para ninguém, seja no Brasil ou no mundo, vários shows, festivais e eventos cancelados ou adiados, bares e casas de shows fechados. Que esse período sinistro passe o mais breve possível e o cenário metal retome suas atividades.

Está sendo preparado alguma novidade para os próximos dias? Tem algum lançamento vindo por aí? Conte-nos alguns detalhes!

 O segundo álbum Crime e Castigo está na fase final de mixagem e masterização e logo mais estará disponível em todas as plataformas digitais a disposição de todos. Também está em fase final a produção de um vídeo animação para a música Exorcismo, que sairá juntamente com o segundo álbum, posteriormente lançaremos um lyric vídeo, um vídeo para a música Guerra, um mini documentário mostrando o processo de gravação de álbum Crime e Castigo no Studio Legacy, e tudo isso de maneira independente, como manda o underground tupiniquim. O ano será bastante produtivo para a banda, porém a participação em shows, eventos e festivais só quando passar esse período de isolamento social da pandemia.

Deixe uma mensagem em nome da banda para nosso leitor!

A todos que já nos acompanham e apoiam o nosso trabalho nas mídia sociais e plataformas digitais de música, shows, eventos e festivais continuem nos seguindo, e quem não conhece fica o convite feito, para nos conhecer. Vocês são motivo de continuarmos perseverando, somos muito gratos, temos um carinho especial para com vocês. E claro que em tempos de pandemia não se exponham sem necessidade, cuidem-se e dos seus próximos. Nos veremos em breve nos roles da cena …

Feios Sujos e Malvados é:

Rugal – Vocal

Geraldo Capilé – guitarra

Mauro Cavera – baixo

Carlos Cerqueira – bateria

Mais informações:

Facebook: https://www.facebook.com/fsmfeiossujosemalvados/

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCY_lvfUKRMCO1t_sDZKXOew

Roadie Metal Press: https://roadie-metal.com/press/feios-sujos-e-malvados/

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish