Estamos em Outubro de 1987, e sem a data precisa do lançamento, o TANKARD soltou seu segundo full-lenght: e “Chemical Invasion” figura entre os clássicos do Thrash Metal alemão em todos os tempos.

A banda se reuniu no “Musiclab Studio“, na capital germânica, Berlim, entre os meses de junho e agosto de 1987 e de lá saíram com este petardo. Harris Johns responsável pela produção, como já ocorera em “Zombie Attack”. A bolacha saiu pela “Noise Records“.

Sem mais delongas, vamos destrinchar faixa por faixa deste play: temos a intro, que é uma das raras que eu gosto dentre as que as bandas insistem em inserir este recurso nos seus álbuns, que reproduz o som de alguém bebendo (no caso do TANKARD, cerveja, é claro) e arrotando, ficou hilária.

Total Adcition” é regida pelas palhetadas rápidas e agressivas, com sutis mudanças no andamento, retornando a pancadaria sonora, que abre muitíssimo bem o álbum.

Tantrum” tem um belo solo na introdução e as palhetadas voltam a dar as caras em uma outra música à velocidade da luz, com outra breve mudança no andamento e o retorno triunfal, com outro belo solo e tome mais velocidade nos rfffs. Excelente.

Don’t Panic” é igualmente rápida como as anteriores e a fórmula se repete, com algumas mudanças no andamento, desta vez com riffs bem interessantes nas partes mais arrastadas. Um Thrash Metal para ninguém botar defeito, ainda que o solo seja pura fritação. 

Puke” é curta e grossa, com excelentes linhas de baixo e ótimas viradas. Outro clássico do Thrash Metal germânico.

For a Thousand Beers” com esse título fantástico tem uma bela e longa intro, na qual podemos escutar um fantástico dedilhado de violão com influências de música flamenca. A faixa, que é instrumenta, nos contempla com uma série de partes diferentes e complexas, sendo essa a canção em que os caras mais souberam explorar o lado criativo de suas composições. Aqui tem de tudo: riffs ligeiros, palhetadas, solos rápidos e tudo muito bem executado. A melhor faixa do disco. E uma das mais longas do play, com seus 7 minutos e 23 minutos.

A faixa título nos engana perfeitamente, tem uma intro bem country e pensamos que ela vai se desenvolver dessa forma, só que não: logo logo temos o Thrash oitentista dando as caras em partes que se alternam continuamente, ora a música é rápida e agressiva, ora é mais cadenciada, com destaque para as ótimas linhas de baixo nestas partes mais lentas. Muito boa.

Farewell to a Slut” tem na sua introdução um mix de solos em que a fritação rola solta e outro mais melódico, mas logo logo a banda retorna com sua proposta de praticar um som agressivo mesclando partes mais arrastadas em que novamente o baixo brilha. E tome mais velocidade no solo em uma música que desafia o preço do ouvinte a manter se inerte ao som pesado que o quinteto alemão pratica. 

Traitor” traz um Thrash Metal em que, nas partes mais rápidas, podemos comparar ao TESTAMENT. E novamente com algumas pequenas mudanças no andamento, até para que possamos dar um pouco de descanso aos nossos pescoços e depois voltam os riffs rápidos e agressivos praticados, sendo esta a mais longa do play, com seus quase 8 minutos.

Alcohol” fecha o álbum e é um cover do GANG GREEN, que o TANKARD tratou de dar uma cara Thrash Metal para este som, que ficou muito interessante e com excelentes passagens do baixista.

E em pouco mais de 39 minutos temos um disco ótimo, na qual o TANKARD mostrava que chegou para ficar entre o The Big Four do Thrash Metal Alemão. Um clássico, indispensável aos admiradores do estilo.

Lineup:
Gerre – Vocal
Frank Thorwarth – Baixo
Axel Katzmann – Guitarra
Andy Boulgaropoulos – Guitarra
Oliver Werner – Bateria

Tracklisting:
01 – Intro
02 – Total Adiction
03 – Tantrum
04 – Don’t Panic
05 – Puke
06 – For a Thousand Beers
07 – Chemical Invasion
08 – Farewell to a Slut
09 – Traitor
10 – Alcohol

NOTA: 9,5

Encontre sua banda favorita