Um disco que representa mais que musica, mas uma prova de sobrevivência. Guerra Civil Canibal é o EP que inaugura uma nova era para os Ratos, com a entrada de de Fralda no baixo, substituindo Pica-Pau, que não conseguiu acompanhar o ritmo da turnê europeia e a consolidação do velho punk-core, que andava um pouco esquecido.

Obesidade Mórbida Constitucional abre o disco com a velocidade maníaca. A letra trata dos problemas que Gordo teve (tem?) com o peso, que quase o levou a morte, como diz o refrão: “Eu vi a morte! Morte!” A faixa é uma pancada hardcore que termina com a narração do seu próprio boletim médico. Toma Trouxa é outra faixa que sempre está presente nas apresentações da banda e trata de um “conselho” aos menos desavisados. O álbum ainda conta com os covers de Biotech Is Godzilla (Sepultura) e Fire to Burn (Half Japanese).

O EP tem um pouco mais de 14 minutos, não é um clássico, nem de longe lembra aquele som podre e charmoso dos anos 80’s, mas é um disco divertido que vale uma audição. Enfim é um disco, como citei, de sobrevivência tanto pela parte do Gordo, quanto pela a existência da banda. É aquele grito: “ei eu to aqui! E vou sentar a lenha nos seus ouvidinhos.”

Guerra Civil Canibal (EP) – Ratos De Porão (Peculio Discos – 2000)

Tracklist:
01. Obesidade Mórbida Constitucional
02. Toma Trouxa
03. Guerra Civil Canibal
04. Fire To Burn (Half Japanese cover)
05. Biotech Is Godzilla (Sepultura cover)
06. A Cola
07. Kill The Varukers

Line-up:
João Gordo – vocais
Jão – guitarras
Fralda – contrabaixo
Boka – bateria