Roadie Metal Cronologia: Korn – See You on the Other Side (2005)

by Tatianny Ruiz

Estamos de volta a Roadie Metal Cronologia e desta vez para falar sobre uma banda que raramente passa pelo meu encarte pessoal de audições mas que sempre está em foco de alguma forma, principalmente agora com o lançamento do novo álbum, então vale a pena voltar no tempo e conferir alguns detalhes sobre a banda no passado.
Primeira coisa que eu preciso citar é que o Korn que você conheceu no passado não existia mais em 2005. Eles já estavam chegando perigosamente perto de cometer um suicídio artístico com “Take a Look in the Mirror”, que era morno e excessivamente artificial. Meus sentimentos em relação ao álbum que foi pacificamente aceito ao longo dos anos, mas eu ainda não pude deixar de pensar que talvez fosse o fim para o Korn.
Bem, de certa forma, eles estavam, “Mirror” era o grito de morte do velho Korn, e quando Brian Welch deixou a banda, o prego final foi martelado no caixão. No entanto, uma mudança de line-up e uma mudança de gravadora parecem ter conspirado para criar algo que é, no mínimo, criativo e novo.

O álbum começa com a propulsiva, mas melodicamente desafiadora, “Twisted Transistor“. Embora definitivamente não seja minha música favorita neste álbum, ela é representativa a definição de mudanças no som do Korn. No primeiro momento, este álbum me lembrou Orgy. Na verdade, ele usa muito os sons industriais do Nine Inch Nails, Orgy, Static-X, bem como de uma de suas influências declaradas, Ministry. Mesmo quando não há linhas eletrônicas no mix, o pulso agressivo na maioria dessas músicas ainda trás à mente o industrial.
A banda também parece ter descartado os acordes impressionistas e as texturas ricas em paredes de som em favor de uma abordagem mais horizontal. Sem dúvida, isso é o resultado do Head deixar a banda, sem precisar de outro guitarrista, as partes de guitarra de James Shaffer refletem uma sensibilidade mais espessa. As guitarras de baixa sintonia em muitos casos perderam sua definição mais profunda e agora atuam como uma textura de ruído abrasivo. As linhas de baixo de Fieldy já não parecem dobrar como partes de percussão e ele é mais levado a usar o pedal fuzz, o que na minha opinião causa um contraste realmente diferente.
Esta é apenas a coisa menos pesada que o Korn colocou. Mas isso não é necessariamente uma coisa ruim. Eu acho que Jonathan Davis queimou as birras que alimentaram sua raiva misógina em álbuns anteriores, e qualquer tentativa de recapturar esse tipo de som seria considerada forçada e brega naquela ocasião.

Começando com a decepcionante, mas ainda assim audível “Twisted Transistor“, o álbum fica cada vez melhor a cada música. “Hypocrites” é uma música pesada, agressiva e relativamente mais tradicional, com um riff de guitarra um pouco reminiscente de Pantera ou Down. “Souvenier” é interessante principalmente porque nós podemos ver o Korn experimentando mudanças no tempo, algo que quase nunca foi levado em conta nas estruturas de músicas da banda.
Então chegamos ao que considero ser o primeiro destaque real do álbum, “10 or a 2-way.” começa como um Hard Rock de cabaré ao estilo Marilyn Manson…mas então o refrão rola e bate em sua cabeça com um peso imprevisto. Com ainda mais efeito porque o álbum como um todo não é tão pesado, então, quando é pesado, realmente se destaca.
Outro destaque interessante (e este álbum vê cada vez mais deles) é a melancolia, “Throw Me Away“, me lembra o disco Untouchables com sua riqueza de baladas sentimentais. E isso é bom. Outros destaques incluem a funky e melodiosa “Open Up“, um longa faixa chamada “Liars“, e na minha opinião a maior conquista deste álbum, “Seen It All“. A última faixa mencionada é uma canção supremamente arrepiante e dramática que me faz lembrar Faith No More, da era de Angel Dust. É mais do que digna como faixa de encerramento do Korn.

Infelizmente, não é a faixa final. A faixa de fechamento é uma espécie de pseudo-balada quieta e assustadora chamada “Tearjerker“. O título mudo esconde suas sutilezas, mas mesmo assim é mais uma reflexão tardia de “Seen It All“, que é o tipo de última impressão que o Korn deveria estar tentando fazer.
A maioria das outras músicas é muito boa, embora algumas delas, como “Politics” e “Getting Off“, sejam um pouco chatas depois de algum tempo.

Não há faixas terrivelmente horríveis (o que é mais do que se pode dizer sobre o álbum anterior, Take a Look in the Mirror) e os destaques são abundantes.
Este álbum define Korn como indo em uma nova direção, e enquanto eu não estou decidido se era para melhor, eu tenho a certeza que o Korn poderia ter feito muito pior naquela época.

Score: 7/10

Track listing

01. Twisted Transistor 
02. Politics 
03. Hypocrites 
04. Souvenir 
05. 10 Or A 2-Way 
06. Throw Me Away 
07. Love Song 
08. Open Up 
09. Coming Undone 
10. Getting Off 
11. Liar 
12. For No One 
13. Seen It All 
14. Tearjerker

Membros da banda

Jonathan Davis – Vocal

James Shaffer – Guitarra

Reginald Arvizu – Baixo

David Silveria – Bateria

Facebook Oficial

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish