Para quem gosta de Trash Metal, o Jailor, em minha opinião, pode ser considerada uma das melhores bandas brasileiras do gênero. Os caras precisam apenas tomar uma maior projeção mundial, melhorar um pouco o site e utilizar mais a marca em camisas e itens para, com essa verba, conseguir participar de turnês internacionais.

Os caras já tocaram com grandes nomes do cenário e tem tudo para ser uma das grandes bandas brasileiras a levar o Trash Metal Brasileiro aos ouvidos mais longínquos. Stats of Tragedy  é realmente um excelente trabalho. Agressivo e técnico.

Não vou destacar faixa a faixa porque o Jailor fez um álbum bastante consistente, com rápidas palhetadas nas guitarras, linhas de baixo bastante intensa, muita força nos vocais e uma bateria monstruosa. A arte gráfica ficou bem legal também (só chamo a atenção para algumas imagens com baixa qualidade que, quando ampliadas, ficaram ruim, mas nada que atrapalhe o excelente trabalho) e o encarte que vira um mini pôster é uma ótima sacada para a banda grudar na mente dos jovens headbangers que curtem expor pôsteres nas paredes e portas dos seus quartos.

Musicalmente vocês irão encontrar puro Trash Metal, sem muitas firulas, com inspirações em Slayer (alguns riff me lembraram bastante, como em Jesus Crisis), Death, Kreator entre outros nomes consagrados. Realmente é um álbum que desperta uma sensação de que ainda é possível fazer um bom Trash, cru e pesado e ter um destaque no cenário. Sem sombra de dúvidas indico a compra do material no site dos caras, mesmo com as faixas disponibilizadas. Será um grande incentivo para que consigam levar o nome do Brasil pelo mundo.

Formação

Flávio Wyrwa – Vocal
Guima – Guitarra
Emerson Niederauer – Baixo
Daniel Hartkopf – Guitarra
Jeff – Bateria

Faixas

G.o.d.
Human unbeing
Stats of tragedy
Throne of devil
Merciless punishment
Jesus crisis
The need of perpetual conflict
Ephemeral property
Six six sickness