Resenha: Hellhammer – Apocalyptic Raids (1984)

Mórbido.

Nenhuma palavra pode definir melhor o que é a essência do ser humano Tom Warrior do que mórbido.

Ele mesmo viria a utilizá-la no futuro, para nomear um de seus discos, mas o seu significado sempre esteve vinculado a sua personalidade. Colocar a palavra mórbido para batizar um de seus discos era uma reles confirmação de suas intenções, pois, no período gestacional inverso de nove meses antes do álbum “Morbid Tales” do Celtic Frost, Tom Warrior trouxe ao mundo uma lenda que precisou de apenas quatro faixas para se perpetuar, o EP “Apocalyptic Raids”, do Hellhammer.

As ideias que germinavam dentro da mente de Warrior não se desenvolveram isoladamente, independente de qualquer que seja o nome anotado no crédito das composições. É certo que, por ser a figura de frente da banda, seu nome é sempre o primeiro a ser mencionado, no entanto há que se lembrar de outro ente tão sombrio quanto ele, – ou talvez até mais – e que também deve ser responsabilizado pelo legado que o Hellhammer deixou: o baixista Martin Ain. O aparte no relacionamento profissional e criativo dos dois, que ocorreria no futuro, foi o motivo pelo qual o Celtic Frost interrompeu suas atividades. Mais do que uma banda, o Celtic Frost era um conceito, ou melhor, uma equação. E essa equação só se tornava exata com a presença dessas variáveis.

Mas voltando ao EP, apesar do material original só possuir quatro faixas, a avidez por coisas do Hellhammer nos torna obrigatório o dever de mencionar as duas músicas adicionais que foram colocadas em relançamentos do disco: “Revelations of Doom” e “Messiah”, que vieram à luz, inicialmente, em uma coletânea do mesmo ano, chamada sintomaticamente de “Death Metal” e da qual apenas o Hellhammer fazia jus, entre os presentes, ao dito nome.

Existem outras faixas espalhadas por aí, retiradas de demo-tapes, mas o melhor da banda está nessas seis músicas. O fator morbidez, ao contrário do que possa se imaginar a princípio, não está atrelado ao andamento das músicas. A faixa não precisa ser lenta para soar soturna e isso está bem claro aqui, onde apenas uma das composições é mais arrastada, mas a sujeira, a performance e a interpretação traziam a perversão para um gênero que ainda estava muito arraigado na melodia. “Horus/Agressor”, “Massacra” e “The Third of The Storms” soam como um passo adiante do que o Venom fazia. Discutir capacidade técnica ou instrumental seria completamente absurdo nesse caso, mas não se releva o que os artistas criaram a partir de suas próprias limitações. E se estabelecermos que o Hellhammer, nessas músicas, já apresentava propostas distintas do Venom ou do Bathory, em “Triumph of Death” a coisa realmente extrapola…

“Triumph of Death” é um fenômeno! Musicalmente, fica claro pra qualquer um, que a faixa não tem nada de mais. É composta apenas de dois riffs, extremamente simples, que se repetem ao longo de seus nove minutos. Mas você não vê esses nove minutos passarem! Você fica absolutamente hipnotizado pela composição, pela forma como ela soa crua, maligna, insana. Eu realmente não vejo Venom, Bathory, Sodom, ou qualquer desses outros baluartes do extremismo fazendo algo parecido. Eu não vejo que ninguém pudesse fazer algo parecido, apenas o Hellhammer.

Independente do nome ou da encarnação – Hellhammer, Celtic Frost, Apollyon Sun ou Triptykon – independente de o tempo ter trazido aprimoramento técnico e refinamento às composições, nada disso diluiu a aura negra que cerca esses músicos. O que eles fizeram nos últimos anos é mais bem produzido, sem dúvida, mas tudo é a sequência lógica do que aconteceu em 1984, quando o Hellhammer deu início às incursões do apocalipse em nosso mundo.

 

Formação

Tom G. Warrior – vocal, guitarra

Martin E. Ain – baixo

Bruce Day – bateria

Músicas

1.Third of the Storms (Evoked Damnation)

2.Massacra

3.Triumph of Death

4.Horus/Aggressor

5.Revelations of Doom (incluída no relançamento de 1990)

6.Messiah (incluída no relançamento de 1990)

Compartilhe:

Tags

Sobre: Anderson Frota

Anderson Frota

"Anderson Frota é baixista da banda Asmodeus, de Fortaleza, e escuta rock e metal desde os 14 anos, indo desde os Beatles até o Napalm Death, desde o Yes até o Cannibal Corpse"

Você talvez também goste...

Comentários

Inscreva-se em nosso Feed

Esteja atualizado com tudo que acontece na cena Rock/Metal!

Siga-nos!

Comentários Recentes

Siga-nos os bons!