Contra fatos não há argumentos. Sem sombras nenhuma de dúvidas, os anos 80 foram e ainda são de extrema importância para o Heavy Metal, ainda mais no que tange sobre influências. Não a toa com grandes bandas e clássicos álbuns surgindo dos dois lados do Atlântico, hora ou outra o reflexo acabaria aportando por aqui, revelando importantes nomes como Sepultura, Viper, Stress, Dorsal Atlântica, Overdose e mais um punhado de bandas que beberam incessantemente nessa fonte.

E eis que ainda nos dias de hoje, essa influência ainda se apresenta bem latente. Como é o caso dos mineiros do Exorddium. Oriundos da cidade de Contagem, com os trabalhos iniciados em 2004, a proposta musical é bem clara. Temos o bom e velho Heavy Metal oitentista, com letras em português, lembrando monstros consagrados como o Azul Limão ou o Harpia. E nesse ano, a banda presenteia os fãs com seu segundo álbum, o interessante “Leviatã”.

O quinteto formado por Eduardo Bisnik (vocais), Fernando Amaral e Paulo César (guitarras), Nicolas Cortelete (baixo) e Jaílson Douglas (bateria) não trouxeram nada de novo ao estilo, mas que fique claro, isso não significa um problema. A banda se mostra bem coesa, principalmente em sua parte ritmica, com sua dupla de guitarristas dando conta do recado com bons e interessantes riffs e um vocalista com um belo timbre, que me fez lembrar em alguns momentos o grande Mário Linhares (Dark Avenger), e embora com alguns leves exageros aqui e acolá, não conseguiu obscurecer sua participação.

Liricamente temos músicas que falam de fantasias e amor ao Heavy Metal. Com a exceção de “Dama das Sombras” e da faixa título, todas as faixas são bem simples e diretas. Mas justamente por remeterem à velha escola, conseguem em alguns momentos empolgar o ouvinte. Outro ponto forte é a arte gráfica. A diagramação do encarte é muito bonita, assim como a prórpria capa. Mas por outro lado, a produção deixou um pouco a desejar. Em um momento onde surgem a cada momento excelentes bandas, e cada uma querendo ganhar espaço, penso ser preciso caprichar em cada detalhe, e sem dúvidas, a produção tem que ser essencialmente boa.

E no resumo da ópera, temos uma banda com um potencial enorme para escrever seu nome na história do Heavy Metal. Bastam alguns ajustes, nada dificeis ou impossíveis, pois a galera já provou serem ótimos compositores. Fico aqui ansiosamente no aguardo de próximos lançamentos, pois acredito no potencial e na evolução do Exorddium. Sem dúvidas, um grande diamante a ser lapidado.

Formação:
Eduardo Bisnik (vocal)
Paulo César (guitarra)
Fernando Amaral (guitarra)
Nicolas Cortelete (baixo)
Jaílson Douglas (bateria)

Track list:
01. Oceano das Almas Perdidas
02. Leviatã
03. Hail
04. Irmãos no Metal
05. Coração de Aço
06. Brinde à Vida
07. Filhos da Noite
08. Dama das Sombras

Encontre sua banda favorita