Projeto de inéditas do Grateful Dead, “Workingman’s Dead: The Angel’s Share”, estreia em todas as plataformas digitais

by Jessica Mar

É incrível como o lendário arquivo de gravações  do Grateful Dead ainda tem a capacidade de surpreender completamente depois de tantos anos. Acontece que existe um ás escondido na manga há 50 anos, apenas esperando o momento perfeito para ser revelado.
 
Bem a tempo para o 50º aniversário de “Workingman’s Dead”, chega “The Angel’s Share”, uma descoberta reveladora em áudio de mais de duas horas e meia de gravações inéditas que não entraram no álbum. Compilada a partir de dezenas de fitas de 16 faixas que foram recentemente descobertas em caixas sem rótulo, a coleção inclui versões de todas as músicas do álbum, que permaneceram inéditas desde que deixaram o estúdio há mais de 50 anos. Sob a supervisão do gerente legado do Grateful Dead, David Lemieux, o engenheiro Brian Kehew e o arquivista Mike Johnson passaram inúmeras horas compilando e montando essas fitas para criar a obra final.
 
As gravações intimistas do “The Angel’s Share” transportam misticamente os ouvintes do Pacific High Recordings Studio, em São Francisco, Estados Unidos, durante três semanas de gravação em fevereiro e março de 1970. Uma mistura de tomadas parciais e completas, as performances no estúdio são salpicadas de conversas, e isso faz parecer que você está em estúdio com a banda: Jerry Garcia, Mickey Hart, Bill Kreutzmann, Phil Lesh, Ron “Pigpen” McKernan e Bob Weir. Como uma mosca na parede do estúdio, os ouvintes agora podem ter uma visão do processo da banda em estúdio como nunca antes. Você pode ouvir discussões sobre ritmo e arranjos, “talkback” do estúdio para a sala de controle com os produtores do álbum, Bob Matthews e Betty Cantor-Jackson, e até mesmo o arrastar de pés no chão do estúdio.
 
“Workingman’s Dead: The Angel’s Share” está disponível para streaming hoje, apenas algumas semanas depois do aniversário de 50 anos do lançamento do álbum original: 14 de Junho de 1970.
 
O projeto leva o nome de um termo usado por destiladores de uísque. A “parte do anjo” é a porcentagem de uísque que é perdida por evaporação a cada ano, à medida que o líquido é envelhecido em barris de carvalho. Assim como o processo de destilação do uísque, também havia ingredientes vitais para a criação do Workingman’s Dead que foram perdidos e não terminaram no álbum final, a versão da própria banda da “participação dos anjos”. Se não fosse por sorte, essas gravações também seriam perdidas para os anjos, assim como aqueles galões de uísque, e nós não estaríamos compartilhando a “parte do anjo”.

 Existem alguns overdubs nessas gravações, resultando em um som despojado que coloca o foco no núcleo de cada música. Isso vale especialmente para as várias tomadas instrumentais incluídas no projeto. Por exemplo, a falta de vocais serve apenas para intensificar a beleza dolorosa de “High Time” e a correria alegre de “Uncle John’s Band”.
 
Quase todas as músicas que a banda gravou para o Workingman’s Dead foram afinadas no palco durante as turnês de verão e outono de 1969. Uma exceção é “New Speedway Boogie”, que só foi tocada ao vivo três vezes antes da gravação do álbum. Em THE ANGEL’S SHARE, você pode ouvir a música se firmar em um ritmo constante ao longo de vários takes, acumulando quase 30 minutos, enquanto Garcia, em um momento, brinca com os colegas de banda.

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish