Korzus: 16 anos de “Ties of Blood”

by Flávio Farias

Em 02 de abril de 2004, o KORZUS lançava o seu quarto full-lenght. Após um longo hiato que durou 9 anos, desde o lançamento do controverso “KZS”. E “Ties of Blood” representa uma nova fase no que tange a sonoridade do quinteto paulistano, já que os caras deixaram o som ainda mais robusto, pesado e ríspido, com a mesma técnica já apurada.

O disco marca a estreia do excelente Heros Trench, gravando em estúdio com a banda, uma vez que ele já havia marcado presença no “Live at Monsters of Rock”. Ele, que já estava na banda desde o ano de 1998, faria com Silvio Golfeti, a mais letal das duplas de guitarristas do Metal nacional (N. Ddo R: ainda que mais tarde, o pernambucano Antônio Araújo substituisse Silvio e mantivesse a letalidade das guitarras do KORZUS).

A banda entrou no “Mr. Som Studio”, de propriedade da dupla Marcelo Pompeu e Heros Trench, e este último assinou a produção do aniversariante do dia. Ele já tinha alguma experiência como em estúdio, e já havia atuado nas mais diversas funções com outras bandas em estúdio, como na mixagem, na masterização, como engenheiro e já havia produzido discos de bandas como HANGAR, CORPSE GRINDER, SIEGRID INGRID, REVIOLENCE, entre outras. E o resultado foi simplesmente espetacular.

Vamos colocar a bolacha para rodar e destrinchar uma a uma, as treze faixas deste álbum clássico:

A abertura se dá de maneira “Screaming for Death” é bem direta também, uma das diversas faixas com menos de dois minutos de duração. Uma música para levantar até defunto da cova rumo ao “Wall of Death”, comum nos shows da banda. apoteótica, com a longa intro de “Guilty Silence“, que logo se transforma em uma verdadeira máquina de riffs, onde as palhetas de Heros Trench e Silvio Golfetti estão bem nervosas, transformando essa faixa certamente em uma das melhores de toda a carreira da banda.

A pancadaria continua em “Respect“, curta e grossa que em menos de três minutos dá o seu recado, da mesma forma da faixa anterior: com palhetadas rápidas e muita rispidez. Outra excelente música.

What Are You Looking For” é mais cadenciada, onde os riffs mais arrastados e os gritos de Marcelo Pompeu são os pontos altos. Destaque para o solo, muito bem estruturado.

Never Get Me Down” é uma música mais moderna, com algumas influências do “pula-pula” do Metal contemporâneo, até similar a algumas músicas do “KZS“. Mas ela segue brutal, pesada, onde mais uma vez, as guitarras são os destaques.

Punisher” é bem trabalhada e traz de volta, além do peso característico da banda, mudanças de andamento, até uma parte mais, digamos, acústica, antes do solo, muito bem trabalhado.

Evil Sight” é pesada, sombria, densa. E conta com a participação do vocalista André Matos, fazendo um belo dueto com Pompeu. Impressionante como a voz de Matos casou bem com o som Thrash Metal da banda, mesmo que essa faixa não seja rápida como as faixas costumeiras do KORZUS. Aqui temos também a participação do saudoso guitarrista do GOLPE DE ESTADO e do MOBILIS STABLIS, Hélcio Aguirra. Certa vez, o KORZUS executou essa música ao vivo com o imortal Warrel Dane cantando as partes que Andre Matos fez em estúdio. Sensacional.

Correria” traz além da letra em português, a participação de Andreas Kisser na guitarra e mais uma vez o “pula-pula” volta a ter vez. Mas aqui, ao contrário das bandas modernas estadunidenses, o KORZUS passa longe de soar pedante ou chato. Bem interessante.

Cruelty” faz o fã “das antigas” se lembrar das faixas do clássico “Mass Illusion“, a velocidade desta música nos remete à esta fase da banda, porém, aqui, bem melhor produzida e com a banda tendo muito mais bagagem, deu um peso monstruoso e isso acaba influenciando na qualidade.

Ties of Blood” chega trazendo riffs que lembram bastante o baixo na introdução de “No More Tears“, de Ozzy Osbourne. Uma música em que a banda tira o pé do acelerador, mas a fábrica de riffs segue com a criatividade em voga. Ou seja, até aqui, está tudo perfeito.

“It Wasn’t Me” é, em minha opinião, a melhor faixa do disco. Ela traz consigo riffs maravilhosos, um peso brutal, mantendo “Ties of Blood” beirando a perfeição.

A única música um pouco abaixo do nível das demais atende pelo nome de “The Sadist“, não que ela seja uma música ruim, ela até cresce no final, ganhando velocidade, é apenas uma questão de gosto mesmo, pois a música é bem executada, embora seja mais arrastada.

Agora as duas músicas finais são um verdadeiro atentado ao pudor. Desafio o leitor a permanecer inerte durante “Who’s Going to be the Next” e em “Peça Perdão“. A primeira, rápida, violenta, crua, enquanto que a segunda não fica muito atrás, porém, mais voltada ao Hardcore, uma vez que temos participações especiais de Boka e João Gordo (RATOS DE PORÃO), Redson (CÓLERA) e de Taurus, vocalista da banda punk finlandesa e que canta músicas em português FORÇA MACABRA.

O disco, cheio de participações especiais, como a banda dizia na época de seu lançamento, era para mostrar os laços de sangue entre os músicos da cena, o que foi uma excelente iniciativa, já que todos os músicos brilharam e ajudaram ao KORZUS a crescer e chegar a outro patamar. A qualidade da produção aqui é brilhante, mas a banda ainda evoluiria ainda mais com os seus sucessores “Discipline of Hate” (este considerado por mim o melhor deles) e com “Legion“, outro petardo.

A minha relação com este disco é muito, mas muito especial. Eu conheci o KORZUS em uma entrevista que a banda deu no antigo programa “Fúria“, da MTV, apresentado pelo grandioso Gastão Moreira, isso, em 1996, se não me engano. Na época, havia uma campanha da mídia que afirmava que o Metal estava morto e até mesmo a própria emissora entrou nessa onda, já que cortou o nome do programa, que outrora se chamava “Fúria Metal“. Lembro que neste programa, o vocalista Marcelo Pompeu criticava abertamente as bandas que estavam em evidência naquele momento, dizendo que elas tocavam “música de frango”. Ali eu me interessei em escutar a banda, me tornei fã.

O primeiro show dos caras que eu assisti foi em 1999, quando eles se apresentaram em Niterói e ali eu tive a oportunidade de bater um papo com o guitarrista Silvio Golfetti ao final do show, os caras super atenciosos com os fãs. Eu tinha uma fita cassete do “KZS“, mas o “Ties of Blood” foi o primeiro disco da banda que eu comprei e a bolacha está bem guardada, enquanto que uma cópia está salva na memória externa do meu smartphone, onde vira e mexe, eu coloco para tocar. Abaixo, a entrevista que me fez conhecer e tornar fã.

Hoje em dia, eu considero o KORZUS como a melhor banda brasileira em atividade, lamento apenas o fato de a banda não ter decolado internacionalmente como outras bandas igualmente influentes do som pesado praticado aqui. E este disco é uma prova de que em terras tupiniquins existe música de qualidade e não só o lixo musical que habita as rádios e as festas. Sim, somos bons em música pesada e é a hora de celebrar “Ties of Blood” que vai envelhecendo bem, obrigado. Um ótimo álbum para escutar. Recomendo que o leitor o faça e #fiqueemcasa.

Ties of Blood – Korzus
Data de lançamento: 02/04/2004
Gravadora: Unimar Music

Tracklisting:
01 – Guilty Silence
02 – Respect
03 – What Are Looking For
04 – Screaming for Death
05 – Never Get Me Down
06 – Punisher
07 – Evil Sight
08 – Correria
09 – Cruelty
10 – Ties of Blood
11 – It Wasn’t Me
12 – The Sadist
13 – Who’s Going to be the Next
14 – Peça Perdão

Lineup:
Marcelo Pompeu – Vocal
Silvio Golfetti – Guitarra
Heros Trench – Guitarra
Dick Siebert – Baixo
Rodrigo Oliveira – Bateria

Special Guests:

Hélcio Aguirra – Guitarra em “Evil Sight”
Andre Matos – Vocal em “Evil Sight”
Andreas Kisser – Guitarra em “Correria”
Boka – Bateria em “Peça Perdão
João Gordo – Vocal em “Peça Perdão
Redson – vocal em “Peça Perdão
Otto Taurus – Vocal em “Peça Perdão

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish