Exodus já com Gary Holt de volta

Com o gigante do Thrash Metal Slayer pendurando as chuteiras (ou melhor, os instrumentos) Gary Holt está livre “desse fardo”, e pode retornar à casa como o bom filho pródigo que é. O vocalista Steve Zetro afirma que “com todo o respeito, o Exodus está bastante aliviado pelo Slayer estar fora da estrada”, afinal, já se passaram quase seis anos desde o retorno de Steve ao Exodus e do  , lançamento do último álbum de estúdio da banda, “Blood In, Blood Out”. Ao que pese, está mais do que na hora da lenda do thrash-metal de Bay Area retomar o trabalho e continuar construindo seu legado. A entrevista abaixo foi concedida por Zetro ao site BraveWords.com, e retrata uma verdade sólida, e a “ansiedade” dos músicos (do Exodus) pelo retorno de Holt:

BraveWords: Bem, a maior novidade em muito tempo é que o Exodus é a prioridade número um de Gary Holt agora com o Slayer aposentado. 

Zetro: “É hora de avançar esta banda (Exodus) novamente, se você entende o que quero dizer. Faz alguns anos desde que Blood In, Blood Out foi lançado, então as pessoas estão perguntando o que vem a seguir. Mas então o Slayer anunciou sua turnê final em 2018, que sabíamos que demoraria quase dois anos e acabou sendo dois meses a menos de dois anos. E sabíamos que demoraria 22 meses para fazer o mundo e depois fazer o mundo novamente. Sim, porque não. Em vez de tentar gravar um disco nesse período de tempo, apenas o soltei (se referindo a Holt) e dei a nossa bênção. O que você vai fazer? Não faria sentido tentar se encaixar em um novo recorde enquanto Gary estava equilibrando isso. ”

BraveWords: É claro, ter seu guitarrista no Slayer certamente cria a marca Exodus em todo o mundo.

Zetro: “Acredite, você certamente não está me dizendo algo que eu não sei. É a verdade, porque nem todo mundo que conhece o Slayer sabe quem é o Exodus. Você pensaria que sim, mas esse não é o caso. Então, sabemos que a marca se expandiu completamente. ”

BraveWords: Você viu o show final?

Zetro: “Claro, ele é meu garoto. Quando ele entra na Bay Area, estamos lá para ele. Estamos juntos com todos os caras do Slayer. ”

BraveWords: Foi um momento triste para você assistir a saída deles?

Zetro: “Não para mim, sendo honesto com você. Eu o queria de volta onde ele pertence, para que pudéssemos continuar nossa carreira. Por mais triste que eu estivesse, porque sou o maior fã de Slayer do mundo, fiquei tão feliz por ele estar de volta conosco agora e podermos seguir em frente. O que você acha que nós quatro estamos pensando? Ele tem sido o compositor principal e o único cara que esteve em todos os discos. Direção musical é tudo, Gary é todo o seu riffage. O Exodus é ele, então como vamos fazer isso sem ele? Podemos jogar com outro cara, podemos trazer outro cara para simular. Não poderíamos fazer o Exodus sem o Gary, não faz nenhum sentido. Mas é isso que somos, é o que somos desde que éramos crianças. Quando o conheci, ele tinha 17 ou 18 anos, eu era apenas um fã e amigo de Exodus. Baloff era o cantor então. Mas eu conhecia essas pessoas.

BraveWords: Que tipo de relacionamento você teve com Paul Baloff? E como foi tentar se encaixar nesses sapatos com todo mundo dizendo que foi o melhor álbum de estréia do thrash? ”

Zetro: “Nosso relacionamento foi ótimo. E foi o melhor álbum de estréia do thrash, e como você segue isso mano? Eles não me aceitaram totalmente no começo – eu não era Bruce Dickinson até depois de Fabulous Disaster, você entende? Eu ainda era Paul Di’Anno. Eu uso essa analogia porque é uma analogia perfeita – eu ainda estava seguindo os sapatos de Paul em Pleasures. Mas, no Fabulous, eu os havia conquistado por todo o lado, a banda estava com Exodus comigo, e havia pessoas que nem sabiam que havia outro cara. Muitas pessoas disseram ‘Cara, você parece tão diferente no primeiro disco!’ “Bem, não fui eu!” Paul e eu nos demos muito bem. Ele sabia que não era eu – ele disse que eu teria sido um tolo por não aceitar este emprego. Eu não o expulso. Também não expulso Rob (Dukes).

BraveWords: E quão confortável você está em fazer o Bonded By Blood completo? 

Zetro: “É o melhor. Eu poderia fazer isso no meu sono. Os vocais são secundários, os vocais saem e eu nem preciso pensar em quais são as palavras. Quando entrei para a banda, em 1986, não havia Pleasures Of The Flesh, apenas Bonded By Blood. Nós nem tínhamos uma ou duas músicas do Pleasures Of The Flesh prontas para tocar, nós apenas fizemos o Bonded By Blood. ” 

BraveWords: Conte-me a história por trás dos trabalhos artísticos originais de Pleasures of the Flesh e a cena canibal censurada.

Zetro: “Enviamos a obra de arte e adoramos. A banda estava crescendo muito grande e muito rápido naquele momento. Havia certas redes e lojas que não aceitavam o álbum com essa arte, e a gravadora queria colocá-lo nessas lojas. Eles disseram que as lojas de discos o levarão, mas a Target, essa sim, essa não… eles não a levarão por causa da capa, e queremos que esse disco esteja em todo lugar. Agora você pode obtê-lo de qualquer pessoa.

BraveWords: Quando você acha que o álbum será lançado?

Zetro: “Eu diria, mas não posso garantir isso. Se tudo der certo, provavelmente o outono, se não, será gravado este ano. Gary já tem toneladas de coisas escritas e está pronto. 

Gary Holt