Top 5: álbuns que marcaram 1992

by Gustavo Troiano

A década de 90 foi um período de transformação para muitas bandas que continuavam na ativa e haviam passado pelos anos 70 e 80, até pelo fato do Grunge (às vezes chamado de Seattle Sound ou Som de Seattle) subgênero do rock alternativo surgido no final da década de 1980 estar ganhando muita força no fim dos anos 80 e início dos 90. Apesar disso, a lista a seguir traz apenas um nome do grunge; vamos a ela.

Iron Maiden – Fear of the Dark

Começo com esse discão duplo lançado em uma fase que eu (office boy) ganhava uma miséria, e o preço do play era tão “salgado” que dava até tristeza, mas mesmo assim, aquele garoto com 14 anos, conseguiu comprar.

Nono álbum de estúdio do Maiden, foi o último disco de estúdio que Bruce Dickinson gravou com a banda antes de sair e se dedicar a sua carreira solo até sua volta em 1999.

Foi também o primeiro disco a ser produzido por Steve Harris, e o último a contar com Martin Birch (que se aposentou depois do lançamento).

Data de Lançamento: 11 de maio de 1992

Gravadora: EMI

Faixas: “Be Quick or Be Dead”, “From Here to Eternity”, “Afraid to Shoot Strangers”, “Fear Is the Key”, “Childhood’s End”, “Wasting Love”, “The Fugitive”, “Chains of Misery”, “The Apparition”, “Judas Be My Guide”, “Weekend Warrior”, “Fear of the Dark”.

Formação:
Bruce Dickinson – vocal
Janick Gers – guitarra
Dave Murray – guitarra
Steve Harris – baixo, produção e mixagem
Nicko McBrain – bateria

Kiss – Revenge

Meu primeiro LP comprado com o “rico dinheirinho”; e que disco meus amigos! Décimo sexto álbum de estúdio, é o primeiro depois da morte do baterista Eric Carr em novembro de 1991, e quem entrou no seu lugar foi Eric Singer que já tinha tocado no Black Sabbath, Alice Cooper, Badlands e inclusive também com Paul Stanley.

Alias, ele está firme e forte com os caras até hoje, apesar de ter dado uma saída quando eles se reuniram com a formação original no final da década de 90. Neste álbum o Kiss deixou de lado o Glam Metal e voltou a tocar o Hard Rock/Heavy Metal que o consagrou.

Data de Lançamento: 14 de maio de 1992

Gravadora: Mercury Records

Faixas: “Unholy”, “Take It Off”, “Tough Love”, “Spit”, “God Gave Rock and Roll to You II “, “Domino”, “Heart Of Chrome”, “Thou Shalt Not”, “Every Time I Look At You”, “Paralyzed”, “I Just Wanna”, “Carr Jam 1981”.

Formação:
Gene Simmons – baixo, vocal principal e vocal de apoio
Paul Stanley – guitarra rítmica, vocal principal e vocal de apoio
Bruce Kulick – guitarra solo e vocal de apoio
Eric Singer – bateria e vocal de apoio

Black Sabbath – Dehumanizer

Que porrada esse retorno do mestre Ronnie James Dio ao Sabbath. Um disco pesado e avassalador do início ao fim, com Iommi também inspiradíssimo; na verdade todo o grupo.

Décimo sexto álbum de estúdio da banda inglesa, musicalmente é considerado um dos álbuns mais pesados do Black Sabbath. Os temas das letras falam sobre adoração a computadores, tele evangelismo, individualismo e dúvidas sobre a vida após a morte.

Sem ressalvas.

Data de Lançamento: 30 de junho de 1992

Gravadora: I.R.S. Records

Faixas:”Computer God”, “After All (the Dead)”, “TV Crimes”, “Letters from the Earth”, “Master of Insanity”, “Time Machine”, “Sins of the Father”, “Too Late”, “I”, “Buried Alive”.

Formação:
Ronnie James Dio – vocal
Tony Iommi – guitarra
Geezer Butler – baixo
Vinny Appice – bateria
Geoff Nicholls – teclado

Dream Theater – Images and Words

Primeiro disco do Dream Theater que tive acesso, e confesso, foi amor à primeira ouvida. Que inspiração, alternando peso e grandes baladas, fazendo realmente um Prog Metal de primeira.

Segundo álbum de estúdio, ele marca a entrada do vocalista canadense James LaBrie na banda, após a saída de Charlie Dominici; ele foi escolhido dentre mais de duzentos candidatos à vaga.

Em 2017, foi eleito o 95º melhor álbum de metal de todos os tempos pela revista Rolling Stone.

Data de Lançamento: 7 de julho de 1992

Gravadora: Atco Records

Faixas: “Pull Me Under”, “Another Day”, “Take the Time”, “Surrounded”, “Metropolis Pt. 1: The Miracle and the Sleeper”, “Under a Glass Moon”, “Wait for Sleep”, “Learning to Live”.

Formação:
James LaBrie – vocais
John Myung – baixo
John Petrucci – guitarra e vocais de apoio
Kevin Moore – teclado
Mike Portnoy – bateria e vocais de apoio

Alice In Chains – Dirt

Um dos maiores representantes do Grunge para fechar a lista. Como ouvi este disco quando ele foi lançado, bom, até hoje para falar a verdade. Segundo álbum de estúdio dos caras e clássico da era de ouro do Grunge, tendo vendido mais de 5 milhões de cópias em todo o mundo.

Foi gravado enquanto o vocalista Layne Staley estava sofrendo devido ao vício em heroína. Dirt é habitualmente colocado em listas profissionais de melhores álbuns de rock de todos os tempos, com justiça, pois trata-se de uma obra sem precedentes.

Data de Lançamento: 29 de setembro de 1992

Gravadora: Columbia Records

Faixas: “Them Bones” , “Dam That River”, “Rain When I Die”, “Down in a Hole”, “Sickman”, “Rooster”, “Junkhead”, “Dirt”, “God Smack”, “Iron Gland”, “Hate to Feel”, “Angry Chair”, “Would?”.

Formação:
Layne Staley – vocal, guitarra
Jerry Cantrell – guitarra, vocal
Mike Starr – baixo
Sean Kinney – bateria

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish