System of a Down: “Vocês não deram atenção para as letras das músicas por 20 anos?” questiona Serj aos fãs

by Renan Soares

Recentemente, o vocalista Serj Tankian, do System of a Down, concedeu entrevista ao podcast de Bryan Reesman, onde durante a conversa, o comunicador e o músico falaram sobre os posicionamentos de políticos de Serj, que sempre foram frequentes ao longo de sua carreira, e mais ainda nos últimos meses por conta da pandemia do coronavírus, e dos protestos anti-racistas que estourarem nos Estados Unidos e em todo o mundo.

Na ocasião, Serj sobre aqueles que o criticam por conta dos seus posicionamentos, em especial sobre seus fãs que também o fazem, onde ele se diz surpresa ouvir esse tipo de questionamento, mesmo com suas músicas abordando tudo aquilo que ele faa em público.

Sempre explico que música é como pizza: alguns gostam da massa, outros do queijo e outros do recheio. Quando as pessoas dizem nas redes que amam minhas músicas, mas não querem ouvir minhas ideias políticas… ok, se são gentis, é justo, mas às vezes as pessoas são maldosas. O que eu não entendo, e muitos fãs também dizem isso, é: vocês não deram atenção para as letras das músicas por 20 anos? Essas coisas são ditas nas minhas músicas o tempo todo. Vocês só ficam dançando essas músicas por serem dançantes? Não entenderam a mensagem? E está tudo bem também, pois as pessoas podem apenas gostar de música pesada. Nunca pensaram que ‘B.Y.O.B.’ é contra o imperialismo, talvez. Não sei… mas é interessante“.

Nas últimas semanas, Serj tem criticado principalmente a postura do presidente americano Donald Trump diante dos protestos anti-racistas nos Estados Unidos, que se iniciarem após o assassinato do negro George Floyd por um policial branco na cidade de Minneapolis.

Por outro lado, John Dolmayan, baterista da mesma banda, tem tido posicionamentos opostos ao de Serj, tendo inclusive elogiado o presidente Donald Trump, chegando a dizer que o mesmo foi o governante americano que mais fez pelas minorias nos últimos tempos.

Confiram a entrevista na íntegra aqui.

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish