Com uma história que abrange milênios, o Egito é descrito diversas vezes na Bíblia e foi um poderoso império com incontáveis governantes e dinastias, da mesma forma que, ao longo dos muitos séculos, foi invadido e conquistado por outros povos, como os hicsos (nômades de origem asiática – 1750 a.C.), assírios (670 a.C.), persas (525 a.C.), gregos (332 a.C.), romanos (30 a.C.), além também de árabes, turcos e britânicos.

Localizado no nordeste do continente africano, o Egito (oficialmente República Árabe do Egito) é um país mediterrâneo e apesar de estar em uma região desértica, é cortado por um vale fértil guiado pelo rio Nilo. Tendo por capital a cidade do Cairo, sua população total é estimada em cerca de 100 milhões de habitantes, que por sua vez professam a fé islâmica (mais de 90%) e falam o idioma árabe (bem como outros dialetos variantes). Como turismo, o país oferece muitos destinos e atrações, como o Cairo Histórico, As Pirâmides de Gizé, Luxor, os Monumentos Núbios de Abul-Simbel a Filas, o Vale dos Reis, e por aí vai.

Mas, em se tratando de Heavy Metal, quais as bandas e sub-estilos são encontradas na terra dos faraós e das pirâmides? Mesmo com tanta tradição histórica, talvez seja mais fácil afirmar que o país tenha servido como inspiração para bandas e artistas de outras partes do mundo, do que para seus próprios habitantes, tendo em vista que após pesquisas, os números não sejam tão expressivos assim…

Seja como for, logo abaixo apresentarei, como exemplos, algumas das bandas que lá existem. Me acompanhem!

CRESCENT

Para quem curte um Death Metal obscuro e trabalhado, na linha de bandas como Nile e Malechesh, o Crescent surgiu em 1999 no Cairo. Dez anos se passaram entre o lançamento da demo ‘Edgar Alan Poe’s Dreamland’ e o EP ‘The Retribution’ (2009). No ano de 2014 lançam o debut ‘Pyramid Slaves’, de maneira independente, até conseguirem contrato com a francesa Listenable Records, para o lançamento de ‘The Order of Amenti’, quatro anos depois. Não negando as origens, a banda foca suas letras na história de seu país e também nas mitologias.

FROSTAGRATH

Ainda pelos domínios negros do Metal, agora temos um representante do Atmospheric Black Metal, mas desta vez uma ‘one-man-band’, comandada pela mente do vocalista e instrumentista conhecido como Lord Mist. Como material mais recente, pode ser ouvido o single ‘Under Your Black Wings’, de 2018. Entretanto, em nove anos de existência, foram liberados os full ‘A Journey of Infinite Sorrow’ e ‘Extinguishing the Flame of Life’ (ambos em 2013) e ‘A Defective Incarnation’ (2016). Ainda figuram na discografia singles, splits e um EP.

MADDOX THEORY

O Maddox Theory é um praticante do Heavy/Thrash Metal que certamente agradará apreciadores de Metallica. Sendo uma banda ainda bastante jovem – cerca de três anos de atividade, sob esse nome -, até o momento possuem apenas o debut ‘Made of Steel’, de 2018. Até onde se tem notícia, Hazem Eed (baixo e backing vocal), Ali T. Shehata (guitarra e backing vocal), Mustafa Gharib (vocal e guitarra) e Adel Samakia (bateria), integram a formação.

NATHYR

Apesar de não ter registros tão atuais, não pude deixar de incluir o Nathyr na lista, já que após me chamar a atenção pelo estilo, que mescla curiosamente influências de Progressive e algo de Epic/Folk Metal, a sonoridade obviamente não decepcionou. Criado em 2011, em Alexandria, a banda estreou com ‘As The Legacy Unveils’ (2015) e no ano seguinte disponibilizou o single ‘Almanluk’.

ODIOUS

Outra banda de Alexandria é o Odious, que atualmente se deixa levar pelas correntezas do Symphonic Death Metal e do chamado Middle Eastern Folk Metal (eu sei que você se lembrou do Orphaned Land!), em uma mistura envolvente e nada complicada de se apreciar. Em 20 anos de carreira, além de duas demos, foram lançados apenas os dois álbuns ‘Mirror of Vibrations’ (2007) e ‘Skin Age’ (2015) – esse último, contando apenas com a dupla Bassem Fakhri (vocal) e George Boulos (bateria), além de convidados. Se você quer qualidade e diversidade, não deixe de conhecer o Odious, que é certamente um dos destaques da matéria.

SINPROPHECY

Outra que também possui apenas um álbum, mas que vale a pena mencionar é o Sinprophecy, que vem do Cairo. Lançado em 2016, ‘Through Sacrifice and Redemption’ apresenta novamente o Death Metal, porém com diversos outros elementos, como Melodic, Doom e até Progressive – o que me fez pensar bem vagamente nos estadunidenses do Novembers Doom. Fico na torcida para que a banda nos prestigie com algum material novo o quanto antes!

EXCIMER

Encerro a matéria com os thrashers do Excimer, que arrisco em dizer que seja uma das poucas bandas, exclusivamente do estilo, com material oficial lançado no Egito. Se existem outras, os leitores irão me desculpar, mas não encontrei. De 2013 para cá, os egípcios disponibilizaram o EP ‘Serial Killer’ (no mesmo ano), o single ‘Red Planet II: Hell on Earth’ e o debut ‘Thrash From Fire’ (2014). Com aquela pegada mais agressiva e maliciosa do Thrash europeu, a sonoridade, apesar de não trazer nada de novo, empolga logo nos primeiros instantes. As músicas podem ser facilmente encontradas no Youtube. Outro nome de destaque na matéria, sem hesitar!

Como o tempo voa, meus amigos! Mais uma vez chegamos ao fim de outro destino onde não se tem tanto conhecimento sobre sua cena musical ‘metálica’. Espero que vocês, leitores, tenham aproveitado cada instante, assim como possam conhecer estas e outras bandas desse país de fascinante beleza e mistério. Nos vemos novamente dentro de algumas semanas!!

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish