ABC Metal apresenta: bandas com a letra G

by Flávio Farias

Escolhemos 5 bandas por letra, uma vez por semana, para você ampliar seus conhecimentos . Confira abaixo as bandas com a letra G:

Garotos Podres – Punk Rock – Origem: Brasil – Formado em: 1982

Nova formação dos Garotos Podres. Foto: divulgação.

Release: Banda formada na cidade de Mauá, na região do grande ABC Paulista, o maior centro industrial do país. No início da década de 1980, o Brasil, sobretudo São Paulo, vivia um boom do movimento Punk, que havia nascido menos de dez anos antes. A banda se apresentou pela primeira vez no ano de 1983, em Santo André, em um evento que reuniu bandas de diversos gêneros musicais, em prol do Fundo de Greve dos Metalúrgicos do ABC. A banda levanta a bandeira de protesto contra toda e qualquer forma de governo autoritária e fascista e Mao, o vocalista e mentor intelectual da banda é professor de história (este redator que vos escreve será ao final de 2020, igualmente licenciado na mesma disciplina), com mestrado e doutorado em História Econômica. Lançaram cinco álbuns de estúdio, até que em 2012, os integrantes romperam por divergências ideológicas: enquanto o vocalista e fundador da banda, Mao insistia em levar adiante as suas convicções, outros dois integrantes simpatizavam com posições mais conservadoras, o que ia em uma corrente bastante divergente dos ideais da banda durante toda a sua carreira. A questão foi parar na justiça e enquanto isso, o vocalista se apresentou com uma nova formação, sob o nome de O SATÃNICO DR. MAO E OS ESPIÕES SECRETOS, com o qual gravou dois álbuns de forma independente. Recentemente, Mao obteve na justiça o direito mais do que merecido de utilizar o nome GAROTOS PODRES e a banda segue fazendo seu protesto contra governantes da direita.

Músicas de destaque: Falar em GAROTOS PODRES é pensar em músicas de protesto, não só de cunho político, mas também de cunho social. O clássico dos clássicos da banda é a música “Papai Noel, Velho Batuta”, cuja letra e título foram alterados para burlar a censura (N. do R: sim, caro leitor, ao contrário do que dizem por aí, durante a ditadura militar, havia um rígido controle da produção cultural, semelhante ao que estão querendo implantar no governo atual. Qualquer semelhança NÃO É MERA COINCIDÊNCIA). Também podemos citar “Subúrbio Operário”, “Aos Fuzilados da CSN”, a hilária “Mancha”, “Garoto Podre”, “Vomitaram no Trem”, “Ditador”, “A Internacional” (esta se trata de um poema escrito pelo francês Eugene Pottier, no ano de 1871 e mais tarde se tornou o hino da União Soviética, e ligada aos movimentos Socialistas, Comunistas e Sociais-Democratas, além de anarquistas) e versões fantásticas para “Born to be Wild”, do STEPPENWOLF, que virou “Nasci Pra Ser Selvagem” e o cover escrachado para “O Adventista”, do CAMISA DE VÊNUS.

Opinião do redator: A banda é com certeza uma das maiores formações punk do Brasil e é uma voz ativa na luta contra o fascismo disfarçado de luta contra a corrupção. Musicalmente, a banda é pesada mais que o normal para uma banda punk, sem muitas firulas e nem virtuosismo, que a proposta do estilo não exige. O leitor pode até não gostar da banda seja pela sua música ou pelos seus ideais, mas não há como não reconhecer que a banda de Mao é uma das expoentes do estilo. Além de jamais ter entrado em hiato, nem mesmo quando a banda usou outro nome, afinal, eram apenas os GAROTOS PODRES disfarçados. É uma das minhas bandas punks favoritas, entre as nacionais e as estrangeiras.

Novidades: Mao reformulou completamente a banda e segue militando seja em shows do GAROTOS PODRES, seja nas redes sociais, batendo sem pena não só no atual presidente, mas também em seus pares e apoiadores. A banda será atração da reabertura da icônica casa de shows “Hangar 110”, em São Paulo, no próximo sábado, 7. É claro que por sua posição, há os que amam e os que os odeiam. E viva a democracia, que tanto querem limar.

Gorgoroth – Black Metal – Origem: Noruega – Formada em 1992

Gorgoroth. Foto: divulgação.

Release: Formada em 1992 pelo guitarrista Infernus e o nome da banda foi retirado do livro “O Senhor dos Anéis”, de J.R.R. Tolkien. No livro, Gorgoroth se refere a região onde está situada Mordor. A banda possui nove discos de estúdio, uma regravação, um álbum ao vivo e um DVD, igualmente ao vivo. Oficialmente, a banda é um trio, com Infernus na guitarra, Tomas Asklund na bateria e Atteringer no vocal. Ao vivo, a banda tem membros de apoio. Já passaram pela banda alguns vocalistas que marcaram época como Hat, membro original, Pest, que teve duas passagens, mas na última acabou demitido por não aceitar fazer a turnê pela América do Sul em 2012 e Gaahl, que ficou na banda entre 1998 e 2007, oportunidade em que ele substituiu e depois fora substituído pelo próprio Pest. O GORGOROTH aborda em suas letras temas como satanismo, anti-cristianismo, filosofia de Nietzsche, guerras, entre outros. Em 2004, a banda se envolveu em uma polêmica quando se apresentou na Polônia usando cabeças de ovelha fincadas em estacas, exibiu símbolos satânicos e utilizou modelos nus amarrados em cruzes. Este tipo de coisa é considerado como crime na Polônia e por isso houve um processo criminal. Os integrantes da banda alegaram desconhecer as leis do país e o organizador do evento acabou condenado a pagar uma multa por não ter informado previamente ao GORGOROTH sobre as restrições legais no país. Por conta desta polêmica, o contrato com a Nuclear Blast acabou sendo encerrado prematuramente, porém, a banda acabou ganhando ainda mais prestígio junto aos fãs, que vêem no álbum “Incipit Satan” (2002) a obra-prima da banda.

Músicas de destaque:Radix Malorum”, “Profetens Apenbaring”, “Dionysian Rite”, “Burn in His Light”, “Prayer”, “Teeth Grinding“, “Sigh of an Open Eye”, “Crave a Giant” são algumas das músicas que se destacam na carreira da banda.

Opinião do redator: Bem, eu não sou fã de Black Metal, acho um estilo em que as guitarras são muito sujas, porém, entendo que faz parte do estilo. E reconheço a importância do GORGOROTH na cena e a coloco entre as mais expoentes do Black Metal norueguês. Porém, gostei muito do último disco da banda, “Instincttus Bestialis”, onde a banda meio que abandonou o Black Metal, abordando uma sonoridade mais voltada ao Death Metal, que já me agrada mais.

Novidades: Em 2019, a banda fez uma única apresentação, no “Sweden Rock Fest”. Para 2020, os caras têm duas apresentações agendadas e ambas são em festivais: em 10 de abril, os caras se apresentarão em Oslo, no “Inferno Festival” e entre 17 e 20 de junho, é a vez do “Nummirock Festival” receber os noruegueses.

Green Day – Poppy Punk/ Rock Alternativo – Origem: EUA – Formada em: 1986

Da esquerda para a direita: Mike Dirnt, Billie Joe Armstrong e Tré Cool. Foto: Divulgação.

Release: O ano mais emblemático para o Heavy Metal marca a formação de um power-trio punk, na califórnia: Billie Joe Armstrong (vocal/guitarra), Mike Dirnt (baixo) e Al Sobrante (bateria). A banda começou suas atividades sob o nome de SWEET CHILDREN, somente adotando o nome atual em 1989. O GREEN DAY é uma das bandas que foram nasceram no clube 924 Gilman Street, palco frequentado por diversas bandas de Punk Rock. Após dois álbuns lançados, a banda trocou de baterista, com Tré Cool assumindo o posto e assim a formação foi estabelecida. Estes dois primeiros álbuns fizeram um relativo sucesso e então a banda assinou com a “Reprise Records”, pela qual a banda gravou o álbum que os fez estourar, o aclamado “Dookie”. Daí em diante, a banda obteve o reconhecimento em todo o mundo e foi uma das expoentes do movimento Punk contemporâneo. São 13 discos de estúdios já lançados,e venderam mais de 85 milhões de cópias ao longo de sua carreira. Outras conquistas do trio são cinco prêmios do “Grammy Awards”, dentre elas, a de melhor álbum alternativo para “Dookie”, o disco que infestou as rádios e a MTV com hits; em 2011, a revista “Kerrang!” elegeu o GREEN DAY como a segunda banda mais influente dos últimos 30 anos, ficando atrás somente do METALLICA; o canal VH1 classificou a banda em 91º lugar dentre os 100 maiores artistas de todos os tempos e em 2015 foram introduzidos ao “Rock and Roll Hall of Fame”. Embora oficialmente seja um power-trio, a banda ao vivo se apresenta com um guitarrista contratado.


Músicas de destaque: os grandes hits do GREEN DAY, claro estão nos anos 1990 como “Long View”, “Welcome to Paradise”, “Basket Case”, “She”, “Geek Stink Breath”, mas nos anos 2000 os caras conseguiram emplacar hits como “Boulevard of Broken Dreams” e “Wake me up When September Ends”, estas duas já da fase mais alternativa da banda.

Opinião do redator: a carreira do GREEN DAY foi marcada por altos e baixos, tendo o ápice nos álbuns “Dookie” e “Insomnciac”. A partir de “Nimrod”, a banda foi mudando seu som, culminando em perda da popularidade. Porém, nos anos 2000, a banda voltou a lançar bons discos, mas nada que se compare ao período em que a banda alcançou o mainstream. Porém, é uma das bandas que contribuem para que o Rock ainda frequente as rádios, ainda que muitos se preocupem mais em escutar músicas via streaming.

Novidades: A banda acabou de lançar seu o mais recente álbum em 7 de fevereiro deste ano, intitulado “Father of All Motherfuckers”, com apenas 26 minutos de duração, onde a banda flerta da maneira intensa com gêneros como o Indie Rock, se distanciando ainda mais da sonoridade do passado que os levou ao mainstream.

Guns N’ Roses – Hard Rock – Origem: EUA – Formado em: 1985

Guns N’ Roses em 2019. Foto: divulgação

Release: Banda formada por membros de duas bandas de Los Angeles: Axl Rose e Izzy Stradin, oriundos do HOLLYWOOD ROSE e Tracil Gun, Ole Beich e Robbie Gardner, do L.A. GUNS. A escolha do nome da nova banda não poderia ser mais “original”. Assim estava criado o GUNS N’ ROSES. Após algumas substituições, a entrada de Slash no lugar de Tracil Gun; Steve Adler em lugar de Robbie Gardner e por fim, a entrada de Duff Mckagan, a formação se estabilzou até o ano de 1992, o ápice da carreira. Formação essa que ficaria conhecida como a clássica e que lançou os discos de maiores sucessos. Pertence ao GUNS um título que é muito pouco provável que lhe seja tomado: “Appetite for Destruction”, o debut álbum da banda, lançado em 1987, vendeu mais de 33 milhões de cópias no mundo, se tornando o disco de estreia que mais vendeu na história. Em tempos de música via streaming e de download de músicas em MP3, o GUNS pode colocar seu boi na sombra, porque este título parece ser eterno. No total, a banda vendeu mais de 100 milhões de discos no mundo, sendo quase metade deste toral (43 milhões) somente nos EUA. A banda embalou uma geração de fãs e foi responsável pelo último suspiro do Rock em fins dos anos 1980 e início dos anos 1990, antes que o movimento Grunge surgisse e colocasse o Rock em evidência novamente. Apesar de toda a pompa, o GUNS N’ ROSES gravou apenas seis álbuns, sendo um de covers, “The Spaghetti Incident” (N. do R: disco esse que provocou nos brasileiros do RATOS DE PORÃO uma “resposta sarcástica”, em que a banda de João Gordo e Cia. Gravou um disco igualmente de covers, com o nome “Feijoada Acidente?”), além de um EP. Foi também bastante seguida e venerada pelos fãs brasileiros, sobretudo no início dos anos 1990, com o advento da MTV por estas terras, em que seus clipes eram executados à exaustão, culminando com duas apresentações na segunda edição do Rock in Rio, em 1991, no estádio do Maracanã. Em 1994, a banda lançou o cover de “Sympathy for the Devil”, dos ROLLING STONES e depois disso entrou em hiato por um longo tempo, com a debandada de quase todos os membros, exceto seu vocalista, Axl Rose, que vez por outra reformulava a formação, que inclusive, apareceu no Brasil mais algumas vezes para se apresentar em outras edições do Rock in Rio. Seu último álbum, “Chinese Democracy” foi lançado em 2008, após quase dez anos de ser anunciado. Talvez seja o álbum que detenha o recorde de mais tempo que esperou para vir a luz do dia. Recentemente, boa parte da formação clássica se reuniu, à exceção dos bateristas mais conhecidos, Steve Adler e Matt Sorum. A banda fora headliner de uma das noites do Rock in Rio em 2017, sendo uma das que mais participaram do evento de Roberto Medina.

Músicas de destaque: Obviamente que os grandes hits da banda são da sua fase mais frutífera, entre 1987 e 1991, que inclui “Welcome to the Jungle”, “Patience”, “You’re Crazy”, “Paradise City”, “Yesterdays”, “So Fine”, “My Michelle”, “Sweet Child O Mine”, “Don’t Cry”, “November Rain”, “You Could be Mine” entre outras. O cover de “knockin on Heavens Door”, de Bob Dylan, fez muito sucesso, inclusive aqui no Brasil.

Opinião do redator: Embora eu não diga isso na minha bio, logo abaixo do texto, eu reconheço que o GUNS N’ ROSES foi a primeira banda mais pesada com a qual eu tive contato, lá pelo ano de 1991. Naquela época, o acesso às músicas era ainda muito difícil e eu lembro de ter escutado os discos de vinil dos álbuns “Apettite for Destruction” e “GNR Lies”, que foram importantíssimos para a minha formação, não só musical, bem como pessoal. Hoje eu já não acompanho a banda, mas lembro com carinho dos tempos em que eu curtia seus clipes na MTV e das músicas que tocavam nas rádios Rock daquela época. O período de ouro da banda foi de fato até o ano de 1992, depois, passou a viver do passado, graças às grandes composições daquele período que embalou uma geração. Axl Rose já não tem 10% da qualidade vocal daquele tempo, mas quem liga para isso?

Novidades: Recentemente a banda anunciou uma gigantesca turnê em que o México, Caribe e as Américas Central e do Sul, além da Europa serão contempladas na primeira perna, com a segunda perna ocorrendo nos EUA e Canadá. O SMASHING PUMPKINS é convidada especial, O GUNS N’ ROSES será atração principal das edições chilena, argentina e brasileira do Lollapalloza. Esta primeira perna da tour terá início no dia 14 deste mês, na Cidade do México e se encerrando em 27 de junho, em Dublin. A segunda perna desta tour terá início no feriado de 4 de julho, em Milwaukee, terminando em 26 de agosto, em Missoula.

Gwar – Thrash Metal/Horror Metal/Crossover/Heavy Metal – Origem: EUA – Formada em: 1984

Os guerreiros interplanetários do Gwar. Foto: divulgação

Release: Oriunda da cidade de Richmond, Virginia, o GWAR foi criado no ano de 1984. Com fantasias bizarras, a banda encarna personagens que se auto-denominam guerreiros interplanetários que vieram para o planeta Terra. Eles abordam em suas letras conteúdos como humor violento, sexual e escatalógico, por vezes de maneira exagerada, além de sátira social e política. As apresentações da banda são repletas de violência gráfica, que incluem sangue, urina e sêmem falsos, o que gera bastante controvérsia. A banda tem 13 álbuns de estúdio, tendo vendido mais de 82 mil cópias somente nos EUA. A banda experimentou um pouco do mainstream em meados dos anos 1990, quando sua música esteve na MTV e também em talk-shows. O GWAR também atua fora da música, tendo franquias em quadrinhos, cartões comerciais, jogo de tabuleiro e até mesmo cerveja. Eles concorreram por duas oportunidades ao “Grammy Awards“: em 1993, seu filme “Phallus in Wonderland”, perdeu o prêmio para Annie Lennox; e em 1995, concorreu na categoria “Melhor Performance de Metal”, com a música “SFW” do filme homônimo, mas acabou perdendo, desta vez para o NINE INCH NAILS.

Músicas de destaque: Podemos citar “Womb With a View”, “Wharghoul”, “Saddam a Go-Go”, “Slaughterama”, “Let’s Us Slay“, “The Road Behind”, “Sick of You”, “Viking Death Machine”,“Lust in Space”, entre outras.

Opinião do redator: Particularmente eu gosto muito de Crossover, então bandas como o GWAR eu sempre recomendarei. A pegada Thrash Metal em algumas músicas simplesmente me fazem pirar ao escutar o som dos caras. Para quem não se sinta ofendido com as suas letras e o visual engraçado, eu simplesmente vos digo: escute-os. Eles são maravilhosos. E o melhor: os caras não usam do visual estranho para chamar atenção em detrimento do som, pois eles são bastante virtuosos e sabem o que fazem com seus respectivos instrumentos.

Novidades: A banda lançou seu último álbum de estúdio em 2017, intitulado “The Blood of Gods” e segue na ativa, inclusive com alguns poucos shows agendados: em 28 de março a banda toca em Phoenix; no dia seguinte toca em Nova Iorque, com mais duas apresentações em abril e uma agendada para 11 de setembro (N. do R: será que, levando em conta o senso de humor dos caras, a data fora escolhida por puro sarcasmo, tendo em vista que neste dia é lembrado pelos ataques terroristas às torrer gêmeas e ao Pentágono?), em Illinois.

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish