The Clash: 40 Anos de “London Calling”

by Anderson Frota

É bem provável que, se você for pegar algum livro, artigo ou revista sobre a história do Rock, vai haver um trecho onde se explanará sobre a origem do Punk Rock. Há uma chance imensa de constar algo sobre a juventude operária, que não se reconhecia mais nas viagens progressivas ou nos artistas que tiravam fotos exibindo seus próprios aviões. Garotos que nunca tinham posto as mãos em um instrumento resolveram fazer música e trazer o Rock de volta ao básico.

Como em toda versão resumida de uma história, existem alguns exageros. O Rock Progressivo não poderia jamais ser taxado, tão absolutamente, como a pá de cal na espontaneidade da música jovem, bem como, também não é correto acreditar, que qualquer um que se denominasse punk fosse um analfabeto musical.

O Clash, juntamente com o Sex Pistols, foram os dois nomes de mais expressão entre os que surgiram no meio da explosão de bandas inglesas da onda Punk. Embora o começo de ambas seja similar em termos de impacto sonoro, não é possível que seja traçado um paralelo de suas diferenças futuras, por conta do final antecipado das atividades do Pistols. O certo é que o Clash, após um pequeno pulo estilístico entre o primeiro e o segundo disco, deu um grande salto no momento de concepção de seu terceiro álbum, o clássico dos clássicos: “London Calling”.

Se na essência, na atitude, o Clash ainda era uma banda punk, a audição de “London Calling” não permitia, de imediato, estabelecer definições para qual direção o grupo estava apontado. O Clash era uma banda de múltiplas influências e todas elas diziam presente nesse disco. Por trás da capa icônica, que homenageava explicitamente um álbum de Elvis Presley, havia um apanhado de tudo que era relevante musicalmente naquela virada de década, dos 70 para os 80: Punk, Reggae, Rock´n´Roll, Ska, Pop, Rockabilly, Bebop e até Country!

Composto essencialmente por Joe Strummer e Mick Jones, com participações pontuais do baixista Paul Simonon e do baterista Topper Headon, “London Calling” representou o ápice das experimentações sonoras do Clash, sem que essas se tornassem um fator que refreasse a dinâmica do disco, tal qual ocorreu no álbum seguinte, o vinil triplo “Sandinista”, onde o exagero nas viagens dub acabou por torná-lo demasiado cansativo. “London Calling”, apesar de ser um vinil duplo, desce redondo. Tem algumas faixas que poderiam ser limadas? É claro que sim, mas não é nada que prejudique a fluência do trabalho ou que empaque o seu desfrute.

Considerando que Joe Strummer assume o vocal na maioria das canções, e levando-se em conta a sua já mencionada variedade, vê-se o quanto Strummer era um artista versátil, transitando com tranquilidade entre as mudanças de andamento das composições e, importantíssimo, não permitindo que o teor político das mesmas – já que os posicionamentos políticos eram uma das principais bandeiras do Clash – sobrepujassem a diversão de escutar boa música. Quando o músico morreu, aos 50 anos de idade, em 2002, levou consigo, para a sepultura, a esperança de que essa banda algum dia se reunisse. Não ficou, porém, a sensação de que o Clash encerrou prematuramente uma carreira, pois, em “London Calling”, eles conseguiram sintetizar toda a sua obra.

The Clash – London Calling (CBS/Epic – 1979)

Músicas

01 London Calling

02 Brand New Cadillac

03 Jimmy Jazz

04 Hateful

05 Rudie Can’t Fail

06 Spanish Bombs

07 The Right Profile

08 Lost in the Supermarket

09 Clampdown

10 The Guns of Brixton

11 Wrong ‘Em Boyo

12 Death or Glory

13 Koka Kola

14 The Card Cheat

15 Lover’s Rock

16 Four Horsemen

17 I’m Not Down

18 Revolution Rock

19 Train in Vain

Formação

Joe Strummer – vocal, guitarra

Mick Jones – guitarra, vocal

Paul Simonon – baixo

Topper Headon – bateria

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish