Roadie Metal Cronologia: Symphony X – Paradise Lost (2007)

by Vitor Rodrigues

Desde que ouvi pela primeira vez o Symphony X há cerca de um ano, quase sempre eles conseguiram me impressionar. V: The New Mythology Suite (2000) é um dos meus álbuns de metal progressivo favoritos, e tanto o Odyssey e Twilight na Olympus não estão muito longe. Eles sempre foram capazes de equilibrar todo a habilidade de fazer prog metal muito melhor do que alguns de seus contemporâneos, nunca soando muito técnico e progressivo ou muito artificial, na maior parte do tempo. Claro, devido ao fato de que o Symphony X é um dos principais grupos do subgênero, parece lógico que eles atrasem seu próximo e sétimo álbum de estúdio durante cinco anos antes de seu lançamento. De qualquer forma, o Symphony X’s conquistou grandes expectativas ao longo dos anos, e apesar de seu sétimo álbum, Paradise Lost não ter eclipsado os padrões estabelecidos por alguns dos discos anteriores da banda, ainda é um álbum muito interessante.

Essencialmente, Paradise Lost não introduz mudanças na fórmula experimentada, testada e verdadeira do Symphony X. Embora as músicas sejam muito mais pesadas e mais obscuras do que nunca, elas ainda mantêm a atmosfera mística que sempre foi um marco no seu som. Mas voltando ao peso. Se um elemento tivesse ficado mais estressado no sétimo álbum da banda, seria a agressividade e o peso que ele exibe. Mas assim como bandas como Machine Head e Pantera mostram através de suas músicas, o peso para ser verdadeiramente pesado nunca funciona muito bem. Felizmente, a maior parte do Symphony X não cai nessa armadilha, com uma boa parte de seu álbum soando inspirado e interessante. Mas onde esse novo peso vem de “Throughout Paradise Lost”, a peça central da experiência é o guitarrista, Michael Romeo. Além de seu trabalho principal, Romeo também aumenta seu ritmo de trabalho. Particularmente em uma música como Set the World on Fire (The Lie of Lies), onde o ritmo de Michael é a cola que mantém a trilha unida. No entanto, onde Paradise Lost impressiona mais é em algumas das faixas mais leves, mais neo-clássicas. “Eve of Seduction” é talvez o melhor exemplo disso, apresentando várias melodias, solos e riffs rápidos, assim como o melhor desempenho do frontman Russell Allen do álbum. A oitava música, “Seven”, é outra faixa desse gênero, abrindo com um rápido, riff técnico de Michael Romeo antes de se transformar em uma peça de power / prog bastante agradável.

Paradise Lost não é perfeito, no entanto, como há alguns pontos que arrastam para baixo alguns pontos. Talvez o mais importante, algumas das faixas dos álbuns não estão à altura dos padrões habituais da banda. Neste caso, os três principais ofensores são o “Domination”, o “The Serpent’s Kiss”, e o épico, “Revelation (Divus Pennae ex Tragoedia)”. Ambos “Domination” e “The Serpent’s Kiss” não são realmente músicas ruins, mas o peso é muito dominante (perdão, o trocadilho) da mixagem e realmente tira o fluxo da faixa. “Revelation” é difícil de ouvir também, mas por um motivo diferente. Pois é aqui que o Symphony X é mais pretencioso e, bem, irritante. A música tem 9 minutos de duração e vários desses nove minutos são exibidos e tentam ser épicos. Não é tão ruim quanto no “Systematic Chaos” do Dream Theater, mas ainda é bastante desinteressante. “The Walls of Babylon” começa de forma semelhante, mas à medida que a música continua, fica mais suportável. O outro ponto importante que traz o álbum é o vocalista Russell Allen. Ao longo de todo o álbum, a técnica de Allen dominante é um grito áspero. Similarmente às guitarras, é bastante agressivo e dá à música um som mais forte e mais escuro. Seu estilo de cantar rude tem pouca variedade e é, bem, bastante irritante de ouvir, e embora ele não imite James Hetfield como muitos de seus colegas parecem, ele ainda não é muito interessante.

O Symphony X não reinventa o metal progressivo com Paradise Lost. Na verdade, eles não progridem de fato, como o nome do subgênero sugere. Mas o que eles oferecem é uma visão mais sombria e pesada de seus trabalhos anteriores. Claro, eles podem se deixar levar pela agressividade às vezes, mas na maior parte a banda americana faz um trabalho decente em combinar os dois elementos, que os fãs de longa data e os defensores do metal pesado deveriam apreciar. Embora tenha suas falhas (e realmente o que o álbum não faz), Paradise Lost é um álbum muito interessante de uma das melhores bandas de metal dos Estados Unidos e é definitivamente recomendada para os fãs de power metal e prog metal.

Membros:
Russell Allen – vocals
Michael Romeo – guitar, orchestral keyboard, programming, engineering, production
Michael Pinnella – keyboard
Jason Rullo – drums
Michael Lepond – bass
Jens Bogren – mixing
Thomas Eberger – mastering

Tracklist:
1.”Oculus ex Inferni” (instrumental; orchestration: Romeo)
2.”Set the World on Fire (The Lie of Lies)”
3.”Domination”
4.”Serpent’s Kiss”
5.”Paradise Lost” (music: Romeo, Michael Pinnella)
6.”Eve of Seduction”
7.”The Walls of Babylon”
8.”Seven”
9.”The Sacrifice” (lyrics: Allen)
10.”Revelation (Divus Pennae ex Tragoedia)”

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish