Roadie Metal Cronologia: Burzum – Umskiptar (2012)

by Tatianny Ruiz

Quando uma sacerdotisa Völva revelou a Odin toda a série de eventos de Ragnarök que contariam sobre a criação e o fim do mundo em um poema Edda chamado “Völuspá” com certeza ter seu enredo em um álbum da alucinada figura Varg Vikernes era a última coisa esperada pela sociedade escandinava, afinal entre a nacionalidade e o poderoso reinado mitológico nórdico BURZUM e a loucura de suas linhas de black metal nunca poderiam se encaixar a definição, mas, contrariando toda a escatologia e manuscritos medievais esta foi a fonte de inspiração para UMSKIPTAR, o nono álbum de estúdio da lenda obscura norueguesa lançado pela Byelobog Productions em 21 de maio de 2012.

Nós precisamos ser honestos agora, sem Varg Vikernes a história do black metal não aconteceria, ou pelo menos não mereceria uma citação honesta, mas como você trata o legado e a produção de alguém que fez tanto para ajudar a criar um gênero mas também é um assassino e um fanático?
Em 2012 a única coisa mais chata do que falar sobre o passado do músico pioneiro, teórico divisivo e infame Varg Vikernes, também conhecido como Conde Grishnackh, é ouvir a música que ele estava lançando como BURZUM. Mais de duas décadas atrás Vikernes se tornou um pilar do black metal emergente, tanto pelas qualidades emotivas e cruéis de seus melhores álbuns quanto por seu status de filho selvagem anticristão que queimou igrejas e matou seu parceiro e rival, Øystein Aarseth, ou Euronymous, guitarrista do Mayhem.
Enquanto estava preso por alguma combinação desses crimes ele continuou a empurrar o alcance do black metal, tanto estilística quanto socialmente, embora sejam pouco mais do que bugigangas neoclássicas o par de álbuns eletrônicos que Vikernes gravou na prisão certamente ajudou a pressagiar a recente expansão do que ele ainda criaria. Além do mais, enquanto atrás das grades, Vikernes desempenhou um papel de estrela problemática e filósofo poeta, defendendo seu país e seu ego como usado no Lords of Chaos, o livro de black metal de 1998 que se saiu tão bem que justificou uma segunda edição. Mais de uma década depois, o documentário “Until the Light Takes Us” o pegou falando sobre radicalismo e cereais em sua prisão, então sim, sem Vikernes a história do black metal não acontece, ou pelo menos não é interessante o bastante para o livro ou, consequentemente, tão popular para outra geração de garotos alucinados que desde então mudaram o gênero de dentro para fora. Mas se Vikernes nunca tivesse feito outro álbum do BURZUM após sua libertação da prisão em 2009 o mundo provavelmente não teria exigido um, no entanto, ele deixou de lado a controvérsia sobre o artista, os títulos de seus álbuns ou o nome incrivelmente estúpido de sua gravadora “Byelobog” ou “Whitegod” ou “Porcaria, tão óbvio, Varg”, o estranho “Belus” de 2010 e o feroz “Fallen” de 2011 que eram razoavelmente bons mas que não mudaram necessariamente as percepções de BURZUM, para expandir as concepções da música que ele mesmo fazia, servindo como um lembrete de que BURZUM importava fora do contexto de sua vileza.

Varg Vikernes – Arquivo NRK

No entanto em 2010 ele fez o possível para evitar essa idéia e em dezembro de 2011 ele lançou “From the Depths of Darkness“, uma coleção de 11 músicas que combinava três faixas instrumentais curtas com oito regravações dos clássicos do BURZUM de seus primeiros dois full-lenghts.
 Apesar da ressurreição sugerida pelo título “From the Depths of Darkness” era tão inútil quanto ruim, não apenas lembrando os sucessos do passado mas prejudicando-os. Ainda assim, a familiaridade com essas músicas as tornou mais suportáveis ​​do que as de UMSKIPTAR, um álbum que só pode ser ouvido na medida em que é risível.
Como eu mencionei antes Vikernes baseou UMSKIPTAR em “Völuspá“, um poema de 66 estrofes que serve como mito nórdico de criação, destruição e reconstrução que é essencial para a ideologia nacionalista desonrosa de Vikernes. Ele canta a história em sua língua nativa, seu barítono simples dispensando a história real com um mínimo de inflexão, como se ele fosse um professor ou ministro de história transmitindo uma mensagem fundamental mais uma vez. (Se você estiver interessado na tradução do poema o site Vikernes profundamente capitalista sugere a edição especial de seu livro de 2011, Sorcery and Religion in Ancient Scandinavia, ou você pode simplesmente pesquisar no Google “Völuspá em português”  e economizar seu dinheiro.)
Em um comunicado de imprensa antecipado na época sobre UMSKIPTAR, Vikernes explicou que o álbum mostra “um forte foco na atmosfera“, e embora Vikernes nunca tenha gostado tanto de usar a arte da composição para sentimentos UMSKIPTAR sente-se particularmente vazio de estrutura ou direção mesmo que ele tenha tentado. É como se essa atenção ao meio ambiente e aos textos antigos levasse Vikernes a escrever e gravar UMSKIPTAR como se ninguém mais pudesse ouvi-lo. Talvez seja melhor pensar nisso como um transe pessoal religioso, e apenas ficar de fora.

Ocasionalmente existem texturas interessantes aqui como o piano submerso que abre “Alfadanz” ou a maneira como as guitarras soam sinuosas no background de “Hit Helga Tré” que dão à voz exposta de Vikernes algum impulso autoritário muito necessário. Mas há músicas aqui que merecem mais esse título, “Níðhöggr” por exemplo, encontra Vikernes como sussurrando sobre um campo aberto, um bumbo e um tom distante e vacilante que divide a diferença entre um trompete e um momento de guitarra de Steven R. Smith, seu objetivo parece misterioso, mas é divertido, mais um momento de seriedade forçada de um sujeito que faria bem em encontrar outra estratégia. 
Níðhöggr” serve como o começo da grande compilação final que culmina com “Gullaldr“, uma treliça de 10 minutos de tensão tão rotineira que faz com que toda banda de pós rock que ama Slint pareça interessante em comparação. 
Em “Heiðr” Vikernes enterra seus encantamentos entre folhas e lama nas linhas de guitarra do black metal, ocasionalmente diminuindo o ruído para enfatizar o drama. Mais uma vez, isso soa bobo, tornando-o um preâmbulo adequado para “Valgaldr“, um pântano sonoro de oito minutos no qual ele envolve harmonias macabras em riffs distorcidos. É como o Iron Maiden imerso em alucinógenos, só que pior do que isso possa parecer.

Mesmo durante a década em que Vikernes passou na prisão sem produzir material novo ele representou um ponto interessante de conversa entre os fãs de música: como você trata o legado e possivelmente a nova produção de alguém que fez tanto para criar um gênero e, ao mesmo tempo fez tanto para destruir? Todos os associados a ele parecem um simplório cruel, racista e ignorante? É melhor ignorá-lo completamente ou abraçá-lo pelo que ele é, um egoísta ou um idiota capaz de fazer arte ocasionalmente interessante, possivelmente por causa dessas visões? 

É claro que existem aqueles que rejeitam qualquer menção a ele e aqueles que tratam sua política e ações como se estivessem separados de sua música. Há outros que simplesmente concordam com ele, boa sorte! Alguns andam no meio termo com Vikernes, criticando suas opiniões e elogiando o que sua música realizou. Ele se tornou uma espécie de meme, e quando o Metal Sucks cobriu a “notícia” de que ele estava trabalhando em um jogo próprio de RPG eles o apresentaram apropriadamente como o “idiota assassino Varg Vikernes“. Obviamente não há respostas corretas para um debate tão difícil, essencialmente um argumento não apenas sobre liberdade de expressão, mas também os limites da arte e dos cultos da personalidade. Juntamente com “From the Depths of DarknessUMSKIPTAR torna mais fácil encontrar um remédio um pouco mais satisfatório, Varg Vikernes é, como anunciado, “um idiota assassino“, cuja série de registros interessantes agora se transformou em uma forma infeliz e feliz de besteira que até Odin provavelmente não se importa.

Burzum – Umskiptar
Data de lançamento: 21 de maio de 2012
Gravadora: Byelobog Productions

Track listing
1 – Blóðstokkinn
2 – Jóln
3 – Alfadanz
4 – Hit helga Tré
5 – Æra
6 – Heiðr
7 – Valgaldr
8 – Galgviðr
9 – Surtr Sunnan
10 – Gullaldr
11 – Níðhöggr

Membros da banda
Varg Vikernes – Todos os instrumentos, vocais e composições

WEBSITE|FACEBOOK

  • 4/10
    Roadie Metal Cronologia: Burzum - Umskiptar (2012) - 4/10
4/10

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish