Roadie Metal Cronologia: Bathory – Under the Sign of the Black Mark (1987)

by Flávio Farias

Estamos no longínquo ano de 1987 e o BATHORY, capitaneado pelo eterno Quorthon, lançou o seu terceiro disco. E uma das bandas mais importantes do Black Metal e que influenciaria as demais bandas que surgiriam mais tarde fez de “Under the Sign of the Black Mark” mais que um marco, mas uma referência para todo o estilo.

E o seu mentor adentrou ao “Heavenshore Studios“, em Estocolmo, no mês de setembro de 1986. A produção foi do próprio Quorthon, em parceria com Björje “Boss” Forsberg. O modelo da capa se chama Leif Ehrnborg, um culturista sueco, na Stockholm Opera House. Na edição de vinil, na borda do adesivo ao centro, há uma inscrição “Hail Satan”, em ambos os lados. Vamos então destrinchar cada uma das dez faixas de “Under the Sign of Black Mark“.

Nocturnal Obeisance” é uma intro pra lá de medonha com pouco mais de um minuto e logo começa o que o ouvinte quer realmente ouvir, que é metal. E “Massacre” é rápida, curta e primitiva. A guitarra tem um timbre de serra elétrica, que causa uma estranheza e certa repulsa para quem não é habituado com o estilo.

Woman of Dark Desires” já demonstra um pouco de qualidade em uma música que o timbre da guitarra coloca as coisas a perder. Fosse ela melhor trabalhada, seria uma ótima canção de Metal. A música é uma homenagem a condessa húngara Erzsébeth Bathóry, que dá nome a banda e ficou conhecida por uma série de crimes hediondos e cruéis. A música é uma das mais conhecidas da banda e a que mais atenção me chamou durante a audição deste play.

Call From the Grave” traz uma pequena melhora no timbre das guitarras, que ainda assim seguem sujas como pede o estilo, ela tem um andamento que lembra um pouco a música “Orgasmatron“, do MOTÖRHEAD, A faixa foi incluída na trilha do jogo “Grand Theif Auto IV“, o famoso GTA.

Equimanthorn” traz de novo a velocidade e o timbre de serra elétrica na guitarra de Quorthon. Ainda que seja uma característica, principalmente da primeira geração do Black Metal, soa pífio. Esta faixa integrou a trilha sonora do filme “Gummo” (no Brasil, ganhou o título de “Vidas sem Destino“), de 1997 e que teve outras bandas como BURZUM, BRUJERIA, entre outras, participando.

Enter the Eternal Fire” é arrastadona e também não fosse pela sujeira excessiva das guitarras, seria uma grande música, que tem inclusive partes atmosféricas até interessantes e conta com um esboço do que mais tarde se tornaria o chamado Viking Metal.

Chariots of Fire” é uma música rápida que até empolga o ouvinte se estiver em um show, pois ela é convidativa a um moshpit. Porém, ela é tosca e novamente a impressão que temos é de que Quorthon toca uma serra elétrica ao invés de uma guitarra.

13 Candles” já traz mais características do Viking Metal, em uma música atmosférica e com bons riffs , porém, mais uma vez o que me incomoda aqui é a timbragem da guitarra, muito suja. Ok, é do estilo, vai me responder o caro leitor. Há os que curtam esta abordagem. Mas no geral a música não é ruim.

Of Doom…” é uma faixa que me deixou muito ansioso, pois uma grande amiga que é fã da banda havia me alertado que a considera como sendo a melhor faixa do álbum. E vamos nós conferir. Ela é enérgica, rápida, bruta e tem algumas mudanças em seu andamento, com uns riffs interessantes, mas mais uma vez e você vai dizer que é implicância do redator, o que incomoda é guitarra extremamente suja. Não é uma música ruim, talvez pudesse ser melhor lapidada. A faixa é uma homenagem aos fãs da banda.

O final se dá com outra vinheta, chamada “(Outro)” e com seus 25 segundos não acrescenta muito. E em 35 minutos de audição, temos um disco aclamado por muitos fãs de Black Metal no mundo. Eu tive um cuidado muito grande em escrever sobre a obra, mesmo não sendo um fã do estilo, eu tenho a consciência da importância e do que ele representa.

No geral é um disco que tem os seus bons momentos, mas peca, como todas as bandas de Black Metal Old-School, na escolha da timbragem das guitarras e na produção tosca. Agrada em cheio aos fãs do estilo e eu recomendo para quem pretende conhecer os primórdios do Black Metal.

Bathory – Under the Sign of the Black Mark
Data de lançamento: 11/05/1987
Gravadora: Under One Flag

Tracklisting:
01 – Nocternal Obeisance
02 – Massacre
03 – Woman of Dark Desires
04 – Call From the Grave
05 – Equimanthorn
06 – Enter the Eternal Fire
07 – Chariots of Fire
08 – 13 Candles
09 – Of Doom…
10 – “(Outro)”

Lineup:
Quorthon – Vocal/Guitarra/Baixo/Teclado
Paul Lundburg – Bateria

Special Guest:
Christer Sandström – Baixo adicional

  • 6.5/10
    Roadie Metal Cronologia: Bathory - Under the Sign of the Black Mark (1987) - 6.5/10
6.5/10

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish