Resenha: Tool -Fear Inoculum (2019)

by Tatianny Ruiz

Tool, a banda de rock americana está finalmente de volta ao jogo, após longos 13 anos eles enfim liberaram nesta sexta-feira, 30 de agosto, o tão aguardado ‘Fear Inoculum‘, e é claro que este é o assunto em pauta para grande parte dos debates do dia e dos últimos meses para o público e imprensa do Rock e Metal em todo o mundo.

Embora eu reconheça a importância e genialidade desta banda, eu confesso que fiquei um pouco surpresa com a repercussão que este retorno atingiu desde os primeiros murmúrios sobre a possibilidade, ainda mais considerando que falamos de uma banda do início dos anos 90, acho que nem o retorno do Nirvana seria tão debatido, com outro vocalista talvez. O caso é que este é o assunto do momento e já chega dividindo opiniões, enquanto uns estão entusiasmados com a novidade outros parecem não ter encontrado o resultado esperado e eu optei por esperar para observar todo o contexto, até porque o retorno de uma banda quando bem divulgado já se torna uma atração por si própria, então mesmo com o álbum em mãos observar foi bastante interessante.
Embora existam muitas piadas sobre o nome da banda(Tool, ferramenta em inglês) o público que fielmente os acompanha é conhecido pela intensidade, ou devoção, se esta for a melhor palavra para alguns. Eu me lembro dos comentários entre escritores várias vezes mencionarem sobre o quanto esta banda exigia massivamente destaque em algumas revistas, e embora eles insistam em dizer que não são uma banda mainstream, neste momento, eles são o foco então passemos a análise deste novo trabalho.

Tool não faz nenhum esforço, Fear Inoculum é meio bobo em sua auto-importância, muito comovente em muitas partes mas cheio de regras. Você sempre ouve o trabalho, o instrumental ainda é cativante mas as letras não me impressionaram tanto desta vez.
A pausa prolongada entre o 10.000 Days de 2006 e o ​​Fear Inoculum aconteceu em parte pelos muitos projetos do vocalista Maynard James Keenan e as disputas judiciais (sempre um problema com essa banda) e tendências perfeccionistas de Tool. Todas as notas e referências desta banda estão aqui, desde a confusão caótica do guitarrista Adam Jones em “Descending” até as agitadas linhas do baixo de Justin Chancellor que cintilam “Invincible” às tempestades dos tambores de Danny Carey em “Culling Voices”, tudo foi espalhado por toda parte a tal ponto que todas as músicas parecem uma série de formas delimitando um círculo, realinhando-se continuamente no ângulo certo, mas nunca exatamente onde você esperava.
Não há nada de novo aqui, realmente. Tool atingiu seu ponto máximo em Ænima quando eles decidiram ser o King Crimson x Led Zeppelin de sua geração e agora eles entraram em sua fase de Rock clássico, satisfeitos por refinar sua abordagem enquanto atacavam com poder a virtuosidade que só vêm com a experiência. Todas as principais características da banda estão neste álbum, introduções longas e sinuosas que fazem você esperar por uma explosão sônica, interlúdios moldados as nuances do Oriente Médio entre trovões, linhas de tempo que tropeçam em efeitos sintetizados, riffs rápidos que abrem lugares para as letras procurando os solos de guitarra, mas o infinito retalhado gera uma boa atmosfera e de uma maneira estranha este álbum é pesado ao ponto de pressionar a sua cabeça para a graciosidade. Ouça o álbum até o fim e ele flui muito bem, como um rio alternadamente sereno e devorador de homens.

Tool continua sendo uma banda hostil para os ouvintes, ecoando suas obras de forma impiedosa. Todas as músicas do álbum têm mais de 10 minutos, exceto a auto-indulgente “Chocolate Chip Trip“, que é um solo de bateria de cinco minutos em 2019. Devo admitir, porém, que Carey é o capitão do álbum, seus ritmos complexos na frente, dirigindo a todo momento as linhas, enquanto a guitarra de Jones costuma parecer decoração ou contraponto. Podemos dizer que ele ganhou sua própria “Moby Dick“.
Keenan aprendeu a refrear sua tendência ao humor juvenil, Ænima é a resposta do art-metal do final dos anos 90 à maioria dos álbuns de rap do final daqueles tempos, e ele provavelmente é conhecido aos olhos do público por sua raiva catártica, mas sua arte mais convincente foi algo que ele primeiro insinuou em “H” e depois explorou ainda mais no melhor álbum de Tool, Lateralus, o impulso de superar a raiva para se conectar com algo mais profundo, mais verdadeiro como cura.
Ele parece um cara espiritualista agora, ou pelo menos um cara zangado que tenta não ficar zangado o tempo todo. Obviamente, a raiva é uma ferramenta útil para a mudança e uma resposta válida, bem, tenho certeza que você leu as notícias, mas você não pode deixá-las consumir sua alma, certo? E imediatamente na faixa-título de abertura, Keenan está empurrando a animosidade flutuante que vê ao redor (algumas das quais ele pode até ver em sua própria base de fãs), preocupando-se onde isso pode acabar, como pode isolar as pessoas, transformando uns contra os outros:

Fear the light. Fear the breath. Fear the others for eternity.”

Você terá que estar em um certo nível mental para não sucumbir as letras aqui (uma fluência na conversa com professores de yoga pode não ser tão ruim assim), mas Keenan está fazendo uma tentativa admirável ao fazer seus ouvintes se afastarem do medo e do desespero, abraçando nossa humanidade comum em “Pneuma” (“We are born of One Breath, One Word”).

Eu não posso deixar de desejar que Keenan tivesse nos dado um toque vocal como seu grito divino em “Ticks & Leeches“, mas ele ainda está em boa forma aqui. Suas melodias são mais sinuosas e menos diretas do que nunca, mas ele está oferecendo alguns de seus cantos mais adoráveis ​​e vulneráveis, soando verdadeiramente ferido na inesperadamente serena “Culling Voices” antes de todas as partes soltarem o martelo de novo, iradas e sem tempo para mentirosos covardes (e talvez um em particular) em “7empest”. Ele às vezes, como em “Invincible” (uma meditação sobre as indignidades do envelhecimento e talvez uma exibição consciente das ansiedades da carreira), parece que está lutando para ser ouvido acima do barulho, mas suspeito que seja um efeito intencional e parte do espírito da banda que todos os quatro membros sejam iguais.
Tool sempre terá seus detratores, mas todos podem mencionar algo bom sobre este álbum, especialmente se você ouvir por tempo suficiente, e o Tool sempre ganha a sua parcela de fãs inesperados de alguma forma.
Eles permanecem relevantes através da força de vontade, do poder de padrões complexos de bateria e de fãs obsessivos, porque orgulhosamente não são uma banda que se encaixa nesses tempos de forma alguma. O que é apenas um problema se você acha que os tempos em que vivemos são tão limitantes. Tool permanece Tool, e eles criaram um álbum gratificante e enlouquecedor, sobre o qual os obsessivos nunca se calaram. Não deixe que isso impeça você de mergulhar nesta obra. Separe um confortável momento e permita-se a compreender o que estes músicos tentam te oferecer, o resultado em sua mente pode te surpreender.

Nota: 8/10

Track listing

1 – Fear Inoculum
2 – Pneuma
3 – Litanie contre la peur
4 – Invincible
5 – Legion Inoculant
6 – Descending
7 – Culling Voices
8 – Chocolate Chip Trip
9 – 7empest
10 – Mockingbeat

Membros da banda

Danny Carey – Bateria e sintetizador

Justin Chancellor – Baixo

Adam Jones – Guitarra

Maynard James Keenan – Vocais

Facebook Oficial

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish