Resenha: Axecuter – Surrounded By Decay (2019)

by Bruno Rocha

O Axecuter é um dos principais nomes do Heavy Metal tradicional brasileiro na atualidade e esta posição não foi conquistada à toa. O power-trio formado por Danmented (vocais, guitarras), Rascal (contrabaixo, vocais) e Verdani (bateria) pratica seu Metal com total reverência a década oitentista do gênero com extrema competência e perícia, mesclando em sua sonoridade um pouco de várias das nuances que o estilo apresentava naquele período, variando também pelo Speed e pelo Thrash Metal. Prova de que o Axecuter tem um forte respaldo dentro do Heavy Metal são as parcerias que a banda já angariou para suas músicas, que incluem o lendário e saudoso Mark Shelton (Manilla Road) e a dupla Tony “Demolition Man” Dolan e Mantas, do Venon Inc.

Desde 2011, ano da estreia do Axecuter com a demo Bangers Prevail, a banda vem lançando diversos trabalhos nos mais variados formatos, sempre com o mister de espalhar o mais puro Heavy Metal, sem influências de nada de influências modernas, como eles mesmos gostam de pontuar. Prosseguindo nesta cruzada, o Axecuter chega a 2019 trazendo seu segundo full-lenght, Surrounded By Decay, sem alterar em nada sua proposta sonora. O que este álbum apresenta é uma verdadeira ode ao Metal oitentista. Doses de Speed Metal aqui, detalhes de Thrash Metal acolá, Heavy Metal em todo lugar. E o melhor de tudo: sem soar demais parecido com nenhuma banda-referência, pois a identidade do grupo consegue se sobressair.

Obviamente conseguimos identificar elementos típicos de Grave Digger, Venom e Kreator em vários momentos de Surrounded By Decay. Mas é aqui que entra a famigerada discussão sobre influência e cópia descarada. As bandas citadas são tão-somente referências para que o Axecuter crie seu próprio som. A faixa-título instrumental tem a missão de pavimentar o caminho pelo qual o Axecuter destilará seu poderio sonoro, que começa de verdade com Rise And Fall, música que reúne em si todas as escolas pelas quais a banda estudou, pois varia de um ritmo cadenciado até uma veloz levada Thrash em sua metade (vale salientar também o duelo de guitarra e baixo no trecho mais veloz da faixa). Um Heavy Metal “killemalliano” dá a tônica de Separate Ways antes que ela própria varie em sua seção instrumental muito criada e coesa. O ritmo torna a ficar mais frenético em Darkness In Bottles. A faixa seguinte, Dying Source, começa bem serena, com uma bela melodia de guitarra embebido em chorus e phaser ladeado por um teclado em strings. Quem esperava que o Axecuter vinha com uma balada, se enganou; repentinamente, um riff furioso enfeitado com marteladas no braço guitarra estabelece que aquela faixa definitivamente é mais um quebra-pescoços, mas que traz consigo uma bela seção melódica em sua metade.

A veia Thrash Metal da banda é quem dita o ritmo furioso da “kreatoriana” Collecting Enemies. Os vocais de Danmented, muito parecidos com os de Mille Petrozza, reforçam o lado Thrash teutônico do grupo, que já é bem ressaltado pelos arranjos de guitarra. A coisa fica menos rápida novamente, mas não menos pesada, em Darwin Was Rigth. As duas faixas seguintes, Metal In Wrong Hands e Spend The Dollar, mantêm acesa a chama do Metal clássico da banda de forma direta e sem arrodeios. O álbum encerra-se com a épica e grande destaque Passage Back To Hell (escute esta faixa até o último segundo e tente achar um link com alguma música anterior).

Cada composição por si só é muito bem planejada e composta. Não existem trechos desnecessários e todos os buracos (a menos do buraco proposital da última faixa, obviamente) são bem preenchidos pela cozinha e pelas bases. As performances de Danmented, Rascal e Verdani também são irrepreensíveis no que tange ao domínio de seus instrumentos e vozes, o que torna cada música bastante empolgante. Some-se a isso ao excelente trabalho de produção e mixagem, feitas por Ivan Pellicciotti no O Beco Studio, em Curitiba. A arte de capa, elaborada por Paulo Kalvo e Márcio Aranha, é muito bem-feita e emoldura bem a proposta musical do Axecuter. Vale mencionar também o trabalho gráfico de muito bom gosto, obra de Thiago Boller.

Pois muito bem. O Axecuter nos entrega em Surrounded By Decay nada menos do que se espera deles: um material de muita qualidade, um Heavy Metal raiz, com as bençãos daqueles que o forjaram e ao mesmo tempo com muita identidade. Que o aço de seu machado jamais enferruje e que ele continue decepando a todos em seu caminho.

Surrounded By Decay – Axecuter
Tracklist:

01. Surrounded By Decay
02. Rise and Fall
03. Separate Ways
04. Darkness In Bottles
05. Dying Source
06. Collecting Enemies
07. Darwin was Right
08. Metal in Wrong Hands
09. Spend The Dollar
10. Passage Back To Hell

Line-up:
Danmented – vocais, guitarras
Rascal – contrabaixo, vocais
Verdani – bateria

  • 8.5/10
    - 8.5/10
8.5/10

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish