Paul Stanley recorda ter visto o Led Zeppelin pela primeira vez: ‘Até hoje, nunca vi nada que fosse tão perfeito’

by Marcos Gonçalves

Em uma nova entrevista ao podcast “Let There Be Talk“(confira o áudio original abaixo) de Dean Delray, Paul Stanley, vocalista do Kiss, lembrou a primeira vez que assistiu a um show do Led Zeppelin quando tinha apenas 17 anos e morava em Nova York.

“Eu vi o Zeppelin, acho que era agosto de 69 — entre o primeiro e o segundo álbum”, disse Stanley. “E eles estavam tocando ‘What Is And What Should Never Be‘, alguma dessas faixas, e Jimmy [Page] tinha seu arco e eles estavam movendo seu violão para a esquerda e para a direita para que ele pudesse apontar.

Fiquei absolutamente deslumbrado“, continuou ele. “Até hoje, eu nunca vi nada que fosse tão perfeito. Não apenas em termos de sincronicidade e do fato de que todos estavam no mesmo campo de jogo — era a energia sexual que estava saindo do palco, a extravagância, a atitude pretensiosa. Eles fizeram o backup. Eu acho que eles sabiam o quanto eram ótimos. E eu estava apenas…

Antes de tudo, a banda era espetacular e tocava — eu não usaria palavrões — mas eles tocavam com um algo a mais… Então, eles eram incríveis. E Robert Plant estava cantando como algo de outro planeta. Ele estava alcançando notas sem esforço e havia tanta bravata em tudo o que estavam fazendo, que me surpreendeu.

Stanley também falou sobre sua amizade com o guitarrista do Led Zeppelin e o que significou para ele se conectar com seu ídolo em um nível pessoal.

É incrível ter sido um jovem garoto vendo o Zeppelin e depois tocando em Londres e com Jimmy nos assistindo… Ele viu o Kiss, acho que foi a penúltima turnê“, disse ele. “E depois disso, jantamos e saímos para tomar chá e almoçar.

Há um velho ditado que você deveria estar cansado de conhecer seus heróis e as pessoas que admira, porque, francamente, muitos deles são idiotas“, acrescentou Stanley. “Jimmy é o oposto completo. Ele vive e respira música, e ele é um cara incrível, e eu diria o guitarrista mais importante e influente, não apenas em termos de tocar, mas em termos de visão. O que ele criou foi sinfônico. Não é tão simples quanto uma guitarra, baixo e bateria e um cantor. O que ele fez nesses discos foi de várias camadas e uma espécie de tapeçaria. Ele pintou com um pincel incrível e uma incrível paleta de cores. Então ele está lá no topo para mim.

Quase uma década atrás, Stanley disse ao Las Vegas Sun que ele conheceu Page em 1976 enquanto o Kiss estava gravando seu álbum “Destroyer” e o Led Zeppelin estava montando a trilha sonora de “The Song Remains The Same“, e os dois dividiram o saguão do estúdio de gravação.

Estávamos no saguão, e Jimmy apareceu e ele sabia quem eu era e quem era a banda“, lembrou Stanley. “Foi impressionante. Não cinco anos antes, eu estava na platéia assistindo o Led Zeppelin com a boca aberta, eu não podia acreditar.

Em janeiro passado, o Kiss iniciou sua segunda turnê de despedida, batizada de “End Of The Road“, que deve ocorrer até o final de 2021.

Fonte: Blabbermouth

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish