Lars Ulrich, do Metallica, não se arrepende do som da bateria no ‘St. Anger’: “Eu estou por trás disso cem por cento”

by Marcos Gonçalves

Durante uma aparição ontem (quarta-feira, 29 de julho) no “Trunk Nation With Eddie Trunk” do SiriusXM, o baterista do Metallica, Lars Ulrich, defendeu o controverso álbum de 2003 da banda, “St. Anger“, que foi criticado por muitos fãs por sua falta de solos de guitarra, riffs estendidos, sua produção bruta e o som de bateria fraco. Perguntado se ele está de pé por trás do som da armadilha muito difamada do LP, Lars disse:

Eu estou por trás disso cem por cento, porque naquele momento, essa era a verdade.

Apenas minha personalidade, estou sempre olhando para o futuro, sempre pensando na próxima coisa. É assim que estou conectado“, continuou ele. “Seja no Metallica sempre pensando no futuro, na minha vida pessoal ou nos relacionamentos, seja o que for que eu esteja fazendo, estou sempre pensando no futuro. Às vezes, sem dúvida, passei muito tempo no futuro, mas raramente passo algum tempo no passado, e a única vez que esse material realmente aparece é em entrevistas.

Eu ouço ‘St. Anger‘. Isso é meio desastroso e tal, e há muita energia bruta e incrível, e é como ‘Woah!’ Foi um tapa um pouco, mas a coisa do som da bateria foi como um momento super-impulsivo, momentâneo… Estávamos trabalhando em um riff. Hetfield estava tocando um riff na sala de controle. E eu corri. Eu estava tipo, ‘eu preciso colocar uma batida por trás disso’. Corri para a sala de ensaios e me sentei e toquei algumas batidas por esse riff para não perder a energia do momento, e esqueci de ligar a caixa. E então estávamos ouvindo de volta, e eu fiquei tipo, ‘Uau! Esse som se encaixa nesse riff, e soa estranhamente estranho e meio legal. E então eu meio que deixei a caixa para o resto das sessões, mais ou menos. E então foi, tipo, ‘Sim, isso é legal. Isso é diferente. Isso vai incomodar algumas pessoas. Parece que isso faz parte do pummeling’, enfim. E então se torna essa coisa enorme e debatida. E às vezes nós meio que sentamos à margem e falamos, ‘Puta merda! Não vimos isso chegando’, em termos da questão em que ele se transforma.

Ulrich continuou dizendo que não se arrepende de nenhuma das escolhas de produção que o Metallica fez ao longo das quase quatro décadas de carreira da banda. “Estou orgulhoso de todas essas decisões, porque sei que, na época, elas eram a verdade e era a coisa instintiva e certa a se fazer“, disse ele. “E então, 20 anos depois, é como ‘bem, como isso soaria se a caixa estivesse ligada?’ Ou ‘Como isso soaria se fizéssemos dois em vez de quatro?’ Quero dizer, eu não sei, mas realmente não penso nisso, para ser honesto com você, a não ser quando sou confrontado com isso em entrevistas. E eu não mudaria nada sobre o passado. Claro, até onde você vai empurrar isso? Claro, sim, acidentes de ônibus e coisas assim, é claro. Mas o que estou dizendo é que simplesmente não passo muito tempo sentado lá, dizendo: ‘Bem, se não tivéssemos feito isso’ e ‘Se fizemos isso em vez disso…’ estou sempre muito ocupado com o que faremos a seguir, e esse é apenas minha rotina. E acho que todos nós no Metallica geralmente operamos assim. Então, nós sempre estamos animados com a próxima coisa, o próximo álbum.

Eu digo isso frequentemente, mas as pessoas sempre dizem: ‘Qual é o seu álbum favorito do Metallica?’“, Acrescentou. “Minha resposta padrão é: ‘Meu álbum favorito do Metallica é o próximo, e a próxima música que vamos escrever e o próximo álbum que está chegando’, porque se você não acha que seu melhor trabalho ainda está à frente de você, por que faz isso? E estamos sempre tão empolgados com as oportunidades que estão à nossa frente.

St. Anger” foi lançado em junho de 2003 no final de um turbulento período de dois anos em que o baixista Jason Newsted deixou o Metallica, Hetfield passou uma longa estadia na reabilitação e toda a banda ameaçou se separar. A produção bruta de baixa qualidade, a falta de solos de guitarra e o som pouco ortodoxo do álbum não foram bem recebidos por muitos fãs do grupo, que ainda o citam como o pior registro do Metallica. “St. Anger” já vendeu mais de seis milhões de cópias em todo o mundo, apesar de os fãs geralmente não se interessarem nos últimos 17 anos desde o seu lançamento.

Fonte: Blabbermouth

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish