Sete dias de metal no paraíso, essa é a frase perfeita para descrever um dos melhores festivais do verão europeu que este ano aconteceu dos dias 21 ao dia 27 de julho.

Rodeados pela beleza paradisíaca da linda Tolmin, Eslovênia, o festival MetalDays está distante de ser qualificado como apenas um simples festival, estamos falando de uma experiência completa em meio a natureza, diversas atividades ao ar livre, camping e um pacote de bandas e artistas abrangente.
O festival começou como um simples acampamento de metal as margens rio Isonzo em 2004 e de lá pra cá todo o trabalho apenas cresceu, enquanto a diversão ocorre no rio, colinas e floresta durante todo o dia, durante a noite explode em shows incríveis com uma lista realmente impressionante de estrelas.

Confira abaixo a lista de 2019:
Akercocke, Alien Weaponry, Alkaloid, Altair, Animals as Leaders, Animae Silentes, Arcanus, Arch Enemy, Architects, Atrexial Autopsy by Night, Bel O Kan, Big Bad Wolf, Bloodshot Dawn, Captain Morgan´s Revenge, Circle of Execution, Cliteater, Coexsistence, Convictive, Countless Skies, Critical Mess, Dead Label, Dead Season, Decapitated, Decaying Days, Demons & Wizzards, Desdemonia, Dimmu Borgir, Distruzione, Doctor Cyclops, Dopelord, Dornenreich, Dream Theater, Esodic, Eternal Delyria, Fallen Arise, Fintroll, Gaahls Wyrd, God is an Astronaut, Heart of A Coward, Heathenspawn, Hellavista, Hour of Penance, Hydra, Hypocrisy, Immortal Shadow, Impaled Nazarene, In the Woods, Incursed, Infected Rain, Infinitas, Intervals, Islay, Kairos, Kalmah, Klynt, Korpiklaani, Kvelertak, Leave Scars, Liquid Graveyard, Lucifer, Lurking., Molybaron, Moonskin, Neurosis, Necrophobic, Nox Vorago, Obsolete Incarnation, October Tide, Philip H Anselmo and The Illegals, Procreation, Pyroxene, Richthammer, Rise of the Northstar, Rolo Tomassi, Saturnus, Scaredust, Shade of Hatred, Signs of Algorithm, Skeletal Remains, Slave Pit, Soilwork, Stoned Jesus, Svart Crown, Swarm of Serpents, Tarja, Teleport, The Privateer, The Ruins of Beverast, The Vintage Caravan, Theory, Tribulation, Une Misere, Unhuman Insurrection, W.E.B., While She Sleeps, Winterhorde.

Assim como no pacífico distrito de Steinburg, Alemanha onde a infraestrutura do Wacken se prepara anualmente para o colossal festival que move toda a rentabilidade local Tolmin também investe pesado no MetalDays, então embora você não consiga muita coisa dentro da área de camping do festival antes do dia de início chegar compensará muito o investimento em alguns dias a mais na região. A cidade toda conta com hotéis, restaurantes, passeios turísticos e cidadãos dispostos a ajudar e orientar, para eles isto é mais do que um festival mas um apoio importante ao crescimento local.

Tolmin e o vale de Soča são simplesmente um dos locais mais belos possíveis para um festival de metal. Ao estar cercado por tanta beleza natural às vezes você esquece que está de fato em um festival de metal e, como tal, uma vez que estiver, sempre será atraído de volta. Esta foi a minha primeira visita ao MetalDays e foi uma experiência completamente esmagadora, com uma combinação supremamente vencedora de localização deslumbrante, bandas incríveis e companhia fantástica.

MetalDays também é uma experiência punitiva como festival em exibição por cinco dias (ou sete dias se você pagar pela chegada antecipada), mas no final vale totalmente a pena. As bandas não começam até o meio da tarde, então você tem quase um dia inteiro para explorar a área, relaxar no rio ou encontrar bares e restaurantes na cidade para passear.

A edição deste ano do festival foi definitivamente a mais cansativa até hoje em um festival para mim, e eu já estive em muitos festivais na minha vida mas considerando as condições climáticas extremamente quentes com as temperaturas atingindo ridículos 38 graus isso foi uma experiência realmente única. Sendo eu alguém de pele clara isso significava que as condições eram um pouco difíceis para mim e eu não consegui assistir a tantas bandas planejadas por eu ter que me colocar ao sol naquele calor que era apenas fisicamente desgastante. Então, tenho a certeza que as bandas que eu assisti foram as que importavam, várias outras eu pude apreciar por alguns momentos então aqui está o resumo da minha semana no MetalDays Festival 2019.

No primeiro dia o meu grupo chegou durante a tarde de domingo e apesar de haver bandas tocando no palco New Forces nós optamos por passar o dia relaxando e nos acostumando com o clima quente de modo que as bandas para mim começaram bem e apropriadas na segunda-feira. Começando no palco “Lemmy” KIlmister Stage” estavam os irlandeses do Ten Ton Slug que deram um grande começo ao festival com seus riffs robustos e grooves encorpados. As cabeças balançavam e as cervejas eram consumidas rapidamente durante o set muito agradável. Em seguida, fui para o Palco Boško Bursać para assistir ao ato melódico belga de death metal da banda Hexa Mera que tocavam um estilo padrão bastante comum do death metal melódico mas com paixão e convicção suficientes para me manter interessada em todo o set. 

Voltei ao palco Lemmy para pegar os mestres do ocultismo Lucifer que apesar do calor escaldante definitivamente lançaram um feitiço sobre a platéia. O ritmo da velha escola com muita psicodelia e os vocais encantadores de Johanna Sadonis definitivamente me conquistaram. Essa banda agitou as coisas como se estivessemos em 1972 e foi incrível. Consegui pegar algumas músicas da banda da Nova Zelândia Alien Weaponry, mas não o suficiente para justificar uma pontuação. 

Apesar deles fazer parte de uma enorme máquina de campanha publicitária no momento a Alien Weaponry sempre consegue trazer um ótimo show e são artistas fantásticos.
Infelizmente pela necessidade de me alimentar e de descanso isso se tornou mais importantes do que a banda naquele momento. Depois de uma refeição e algumas bebidas no acampamento eu voltei ao palco Boško Bursać para pegar os suecos do October Tide, com ex-membros do Katatonia esses caras apresentaram um setlist atraente e obscuro com novas músicas como “Ögonblick av Nåd” junta confortavelmente ao lado de músicas antigas como “Blue Gallery” e “The Custodian Of Science”.

Após isso eu então voltei ao palco Lemmy para o atmosférico Neurosis que apesar de não ser o ato mais emocionante visualmente definitivamente compensou isso com a devastação aural desencadeada na multidão. As seções atmosféricas e ambientais foram divididas por uma densa parede de som que você podia sentir tanto quanto podia ouvir. Uma escolha interessante da banda para o setlist que definitivamente impressionou aqueles que assistiram. 

No destaque da noite estavam os “megastars” melódicos suecos do death metal Arch Enemy que foram decepcionantemente sem brilho. Eu já tinha encontrado com eles antes durante o verão e talvez devido ao calor esta não tenha sido a melhor performance possível. Na verdade a performance parecia clínica com muito pouca ou nenhuma paixão e uma completa falta de presença de palco da vocalista Alissa White-Gluz. O set estava muito inclinado ao material recente, com três quartos dos últimos dois álbuns, que para mim são facilmente os álbuns mais fracos do Arch Enemy

A banda final da noite e no horário final do palco Boško Bursać foram as lendas suecas enegrecidas do death metal Necrophobic. Após o tédio da banda anterior essa foi uma injeção de energia muito necessária e o Necrophobic foi absolutamente entregue com um conjunto furioso de faixas implacáveis. Essa foi a maneira perfeita de encerrar o primeiro dia do Metaldays. No segundo dia a temperatura subiu ainda mais e como tal seria noite até eu me aventurar a assistir qualquer banda. A primeira banda do dia foram os progressivos alemães Alkaloid. Disseram-me que as apresentações ao vivo do Alkaloid são poucas e distantes entre a banda, com membros do Obscura, Hate Eternal e Dark Fortress, então esse foi um set obrigatório e o Alkaloid certamente impressionou com a pirotecnia da guitarra. A banda era o guitarrista, mas se isso não tivesse sido mencionado pela banda, eu certamente não teria notado(risos). Em seguida, no palco Lemmy estavam os hard rock islandeses The Vintage Caravan que tocaram um dos melhores sets de todo o festival. Eles tocaram hard rock simplista e cativante mas foi tocado tão bem e as músicas tão agradáveis ​​que era impossível não amar. Apesar do calor abrasador fui conduzida a agitar em músicas como Crazy Horses e Midnight Meditation. Uma banda imperdível se eles aparecerem no seu caminho.

 Era necessário um retorno ao acampamento para descansar e me refrescar antes de voltar para a poderosa banda Finntroll que atraiu uma das maiores multidões de todo o festival. A banda estava em pausa há alguns anos mas certamente foi carregada e energizada durante sua performance com fantásticas e divertidas performances de músicas como Blodsvept, Ett Norrskensdåd e, claro, Trollhammaren. 

Chegando ao palco Boško Bursać eu encontrei os extremos góticos suecos Tribulation que foram completamente agradáveis ​​com seu ato gótico obscuro. Se você nunca ouviu o Tribulation eles têm um som que pode ser descrito como quando The Cult e Danzig conhecem o black metal. Eles não são uma banda que eu ouvi muito antes mas definitivamente agora frequentemente eles estão nas minhas audições.
O Metalcore não é um subgênero do metal que eu aprecio muito. Gosto de considerá-lo muito limitado e artificial, mas, como eles têm muitos seguidores pensei em dar atenção ao Architects. Eu não odiava cada segundo da apresentação mas havia muita coisa que eu desprezava com riffs de Meshuggah meio arruinados, quebras inúteis e repetitivas e vocais limpos e chorosos. A banda teve um bom desempenho com um show impressionante mas essa sonoridade realmente não é para mim e eu falhei completamente em ver o apelo nela, especialmente porque o que se seguiu foi tão malditamente bom. A banda final da noite foram os metalizadores atmosféricos noruegueses In The Woods….
Eu certamente sou uma fã desta banda e eles não decepcionaram. Ao me posicionar na frente do palco fiquei completamente hipnotizada por mais de uma hora de música verdadeiramente maravilhosa. A banda apresentou uma boa mescla de músicas mais recentes como Empty Streets e Respect My Solitude e músicas mais antigas que remonta aos dias de black metal como Heart Of The Agese In The Woods, muito apropriada considerando que a banda estava tocando em um palco situado na floresta, além de tudo aquela sensação de lar se instalou naquele momento.
 A banda se apresentou extraordinariamente bem com o vocalista James Fogarty e certamente impressionou com sua mistura de vocais limpos de barítono e gritos angustiados. O final perfeito para o segundo dia e facilmente a performance favorita do festival para mim.

No terceiro dia as temperaturas continuaram a subir e a quarta-feira parecia que superaria as temperaturas dos dias anteriores mas eu lutei para encontrar os meus amigos de acampamento e os incríveis do death melódico do Reino Unido, Countless Skies. Apesar do calor implacável e do espaço aberto ao sol no palco New Forces eles atraíram uma multidão de tamanho decente que ficaram impressionados com seu estilo de death metal melódico com um conjunto composto por músicas antigas e novas. Esta é uma banda certamente destinada a grandes coisas pela frente.
 Em seguida eu fui para o Palco Boško Bursać para a performance da banda Hour Of Penance da Itália que apresentou um setlist furioso de um violento death metal. Hour Of Penance é uma banda fantástica que equilibra o nível certo de técnica e brutalidade mas depois de algumas músicas as coisas podem começar a ficar um pouco repetitivas. 

Em seguida de volta para o palco Lemmy para uma das minhas bandas mais esperadas do festival, a banda finlandesa de death metal melódica Kalmah. Infelizmente o Kalmah foi a primeira vítima do som do festival, para mim com uma mistura que tirou todo o poder da banda. Em termos de performance a banda foi fantástica com a sua implacável interpretação do death metal melódico finlandês e o vocalista Pekka Kokko entreteve a todos com um senso de humor muito seco. A banda também tocou uma seleção fantástica de músicas como Swamphell, The Black Waltz, Heroes To Us e Hades. É uma pena que soasse tão ruim.
Eu permaneci no palco Lemmy pelo restante do dia e em seguida foi a vez dos noruegueses do Kvelertak subirem ao palco e trazerem tudo abaixo com um dos sets mais energéticos do festival. Sua mistura única de hard rock, punk rock e black metal definitivamente conquistou o público do Metaldays com bastante movimento da multidão para hinos estridentes como Bruane Brenn, Nekroskop e Blodtørst. Em seguida, havia uma banda que foi uma adição tardia à formação substituindo o cancelado Philip H Anselmo & The Illegals, mas foi um anúncio que foi universalmente elogiado pelos participantes do Metaldays já que a banda substituta não era outra senão as lendas gregas do metal Rotting Christ que apresentou o melhor set que eu os vi tocar até hoje. Eles aproveitaram ao máximo o sol poente utilizando iluminação e pirotecnia com grande efeito mas foi a música que fez esse cenário com performances impressionantes de músicas recentes como Hallowed Be Thy Name, Kata Ton Daimona Eaytoy e Elthe Kyrie, ao lado de relíquias de sua longa discografia como Forest Of N’Gai, King Of A Stellar War e Non Serviam. Eu estava absolutamente enraizada no local por todo o set e totalmente hipnotizada por tudo ao meu redor. 

Chegou a hora dos headliners da noite e de uma banda que eu não via há alguns anos mas que neste verão eu estava encontrando pela terceira vez, os mestres do metal progressivo dos EUA, Dream Theater. Definitivamente esse foi um set dividido em dois, uma parte tediosa na primeira metade composta principalmente por músicas novas e recente que ficou bastante chato e testou minha paciência e depois uma incrível segunda metade com algumas gemas absolutas do passado do Dream Theater como In The Presence Of Enemies Pt.1, The Dance of Eternity, Lie e As I Am. Como o Arch Enemy duas noites antes muitas músicas do último álbum foram tocadas quando as pessoas realmente queriam ouvir as coisas antigas, erro que o Dream Theater tem cometido muito.

No quarto dia depois de uma manhã incrível flutuando no rio Soča com amigos já estava na hora de outro grupo de bandas. O calor sufocante novamente significou que eu perdi as bandas anteriores mas felizmente nublou e esfriou antes de eu ir para o palco Lemmy. Havia várias bandas se chocando ou se sobrepondo, então havia muita corrida entre os palcos nesta noite, começando com os matadores poloneses Decapited. Esta é uma banda que nunca deixam de impressionar ao vivo com seu death metal técnico brutalmente preciso. Esse cenário era um pouco pesado demais para o material recente mas era impossível não retomar a energia com músicas como Kill The Cult, Homo Sum e a clássica Spheres Of Madness. 
Infelizmente eu tive que perder o final do set para chegar ao Palco Boško Bursać para o esquadrão norte-americano Skeletal Remains que apesar da escassa multidão fizeram um ótimo set com muitos riffs matadores. Novamente o último pedaço do set foi perdido para voltar ao palco de Lemmy para os mestres suecos do metal Soilwork que são uma banda que eu absolutamente adoro e que nunca me decepcionou ao vivo até agora. Björn “Speed” Strid é um vocalista magistral que alterna sem esforço entre vocais ásperos e limpos e o resto da banda faz uma performance dominante com interpretações de Like The Average Stalker, Nerve, The Living Infinite e Stålfågel.

Outro dos sets mais esperados do fim de semana foram as lendas suecas do death metal Hypocrisy e eles certamente não decepcionaram. Tendo estado em um hiato por alguns anos foi fantástico ver esses caras de volta ao palco e eles também pareciam estar gostando muito da experiência. É seguro dizer que eu estava sorrindo de orelha a orelha durante toda a duração do show deles. 

O nome principal do dia é uma banda que eu nunca pensei que eu veria ao vivo, pois é mais um projeto paralelo/super banda do que uma banda, Demons And Wizards.
Para quem não sabe, eles são um grupo de power metal formado por Jon Schaffer do Iced Earth e Hansi Kursch do Blind Guardian com membros de ambas as bandas que compõem o resto da formação. Isso provou ser algo realmente muito especial. O material foi retirado dos dois álbuns da discografia do Demons And Wizards, com belas interpretações de Poor Man’s Crusade, Crimson King, Wicked Witch e Terror Train, mas os maiores aplausos foram para os covers das músicas do Iced Earth e Blind Guardian. Duas músicas de cada banda foram tocadas com Burning Times e I Died For You do catálogo Iced Earth e Welcome To Dying e Valhalla do catálogo Blind Guardian. Valhalla especialmente fez todo mundo cantar junto mas ouvir Hansi Kursch cantando músicas do Iced Earth foi realmente incrível pois ele é um dos melhores vocalistas do heavy metal. Um final fantástico para o dia.

Quinto e último dia do festival e as coisas finalmente esfriaram com a chuva real caindo da tarde para a noite. Eu nunca pensei que ficaria feliz em ver a chuva em um festival. Depois de um dia relaxando na cidade com algumas cervejas refrescantes e sorvetes fui para o Palco Boško Bursać a maior parte do dia, iniciando as coisas com os franceses enegrecidos Svart Crown, que executaram um set bastante cruel mas não muito convincente. Não havia nada de errado com o set deles, mas isso também não me entusiasmava, embora eu gostasse do que vi. Em seguida uma banda que é uma veterana do metal, a banda americana de power metal Helstar. Uma banda que raramente faz turnês na Noruega, então essa foi a primeira vez que eu os vi se apresentar e foi um cenário fantástico. Depois de começar com algumas músicas mais recentes a banda se afirmou com o resto do set mais antigo e mergulhou no catálogo anterior que eles fizeram com performances de Remnants Of War, Genius Of Insanity e Harker’s Tale entre outras. Em seguida, um pouco de black metal atmosférico alemão, cortesia de The Ruins Of Beverast.
 O black metal atmosférico é um gênero que eu realmente gosto mas eu definitivamente preciso estar de bom humor, então, seguindo uma banda de power metal lutei para manter meu interesse durante todo o set e, eventualmente, em três quartos do caminho decidimos sair para conseguir um pouco de pizza. Não havia absolutamente nada de errado com a apresentação e, se eu voltar a ver The Ruins Of Beverast talvez eu aprecie completamente. Não era o que eu queria ouvir naquela hora e honestamente, é preciso medir as coisas em um festival tão extenso para não levar o corpo e a mente a exaustão.
A noite começou a chegar e a chuva começou a cair enquanto os finlandeses Impaled Nazarene subiram ao palco. 
Tocando um estilo de black metal muito mais energizado e agressivo do que The Ruins Of Beverast o set foi uma enxurrada de black metal punk descarrilado apenas até quando a tempestade próxima causou temporariamente um corte de energia em toda a área. Felizmente isso teve vida curta e a banda continuou como se nada tivesse acontecido.

 A atração principal do festival não foi outra senão a horda sinfônica do black metal norueguês Dimmu Borgir. Sendo esta a realeza final do festival minhas expectativas eram altas e acho que talvez muito altas enquanto Dimmu Borgir fez um ótimo set, não havia nada de especial nisso. Algumas das novas músicas foram legais de ouvir ao vivo mas o resto do set era composto pelas mesmas músicas que eles sempre tocam. Com a banda comemorando recentemente 25 anos de existência eu esperava algum material antigo e raramente tocado mas nós apenas tivemos muito do mesmo, mesmo assim todas foram tocados com perfeição absoluta, mas se você já viu Dimmu Borgir antes, parecia apenas deja vu, mas suficiente para começar a pensar que era hora de voltar pra casa.

 Visto que eu tinha uma jornada matinal e um acampamento para desmontar optei por não esperar por Tiamat e me aposentar para a noite.
Então em resumo o MetalDays 2019 foi um festival fantástico. O calor me impediu de conferir algumas das bandas menores mas pude ver quem eu realmente queria e vários momentos de tantas outras. Como este foi o último ano do festival nesta localização em Tolmin eu já estou me preparando para as alterações futuras mas certamente voltarei em 2020 e com Testament, Paradise Lost, Napalm Death, Malevolent Creation e Razor que já confirmaram presença.
 O MetalDays é altamente recomendado para quem deseja uma experiência de festival muito única e extraordinária. Toda a equipe do festival é muito competente e inclusive se dispõem a conceder ao público jatos de água durante o dia pela importância da hidratação. Além disso MetalDays é repleto de atrações, malabaristas, ferreiros e todo tipo entretenimento que de qualquer maneira vai te agradar.

Confira abaixo alguns dos melhores momentos:

Nota: 10/10

Website|Facebook|Instagram

You may also like

EnglishItalianJapanesePortugueseSpanish