Arch Enemy: Alissa White-Gluz fala em vídeo que “ser vegano é definitivamente uma atitude metal”

0
0

Alissa White-Gluz, vocalista da Arch Enemy explica em um vídeo da página Mercy For Animals, por que ser vegano é definitivamente metal.

No vídeo, Alissa explica “Sou vegana há mais de 20 anos. Era vegana antes de começar na música. Eu nunca comi carne na minha vida. Eu cresci em uma casa completamente vegetariana, então, tornar-me vegana era o próximo passo lógico. E quando comecei a fazer música, não havia nada sobre o qual queria falar mais do que os direitos dos animais. Agora estava usando essa forma pesada e apaixonada de música para transmitir uma mensagem que eu queria. Quando estou gritando na minha banda, sinto que estou gritando pelos que não têm voz”.

“Ser mulher, ser vegana e também ser direita no mundo do metal é apenas uma combinação de alvos na minha testa que tornam muito fácil para eu ser escolhida ou empurrada”, continua ela. “Mas essas são apenas as coisas que fazem parte de quem eu sou e que eu não poderia mudá-las, mesmo que quisesse. E eu não mudaria – eu não mudaria por ninguém.”

Sobre o veganismo ser uma atitude metal, ela explica, “na minha opinião, o metal tem tudo a ver com rebelião – é trilhar seu próprio caminho, pensando no que todo mundo está tentando fazer você pensar. E o veganismo é a forma definitiva de rebelião, porque você está literalmente pegando coisas que as pessoas disseram que são normais que, no fundo, você não acha que é normal porque você foi condicionado a aceitar suas tarefas do dia-a-dia, como comer ou o que você veste ou o que escolhe comprar. Todo mundo diz que isso é normal, que você precisa explorar outros seres vivos para essas coisas, mas você não precisa. E, portanto, se posicionar contra isso é o que é o veganismo. E isso é realmente metal “.

BEINGS: Alissa White-Gluz

Lead singer Alissa White-Gluz of the band Arch Enemy tells us why being vegan is definitely metal. 🤘

Posted by Mercy For Animals on Monday, 23 March 2020

Alissa também já se posicionou contra o massacre anual de focas universalmente condenado em seu país natal, Canadá, e contra a indústria de peles, incentivando todos a comprar apenas produtos de higiene pessoal livres de crueldade.